EFE/EPA/NOUSHAD THEKKAYIL
EFE/EPA/NOUSHAD THEKKAYIL

Fifa negocia alternativas para Copa a cada dois anos após ideia ser duramente contestada

Principal entidade do futebol diz que as discussões sobre um Mundial bienal continuam

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2022 | 13h21

Sem conseguir avançar com os planos de realizar a Copa do Mundo a cada dois anos, a Fifa concentra esforços na busca por alternativas ao projeto. Dirigentes da entidade máxima do futebol esperam a atualização de uma consulta sobre mudanças no calendário internacional de jogos para colocar a pauta, duramente contestada, em votação, segundo a Reuters

A ideia de realizar o Mundial de maneira bienal foi apresentada pelo ex-treinador Arsene Wenger, atualmente chefe de desenvolvimento global do futebol da Fifa. O plano é apoiado pelo presidente Gianni Infantino, mas encontra resistência da Uefa e dos principais clubes europeus. nesta terça-feira, Nasser Al-Khelaifi, presidente da Associação de Clubes Europeus e do PSG, voltou a criticar a ideia. 

"Para nós não é uma ideia, basicamente, então não achamos que precisamos discutir isso... não existe para nós. Acho que não posso ser mais claro", disse o catariano

A Fifa diz que as discussões sobre uma Copa do Mundo a cada dois anos continuam. No entanto, a entidade estaria focada neste momento em discutir uma reforma no calendário de forma mais amplas, que devem se intensificar esta semana em ambientes informais. Ainda de acordo com a Reuters, o clima entre a entidade e a Uefa teria melhorado nos últimos meses. 

A Uefa é vista como a principal pedra no caminho da Fifa para colocar o projeto da Copa bienal em prática. O presidente da federação europeia, Aleksander Ceferin, disse no iníco deste mês que Wenger teria desistido da ideia. O presidente da Concacaf e vice-presidente da Fifa, Victor Montagliani, negou. 

"Temos discussões, mas, no que me diz respeito, uma Copa do Mundo bienal está fora de questão. Tenho certeza de que chegaremos a uma solução com a Fifa em breve", disse Montagliani.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.