Fifa pede suspensão de mais 3 pessoas por manipulação de jogos da África do Sul

Os procuradores do Comitê de Ética da Fifa pediram nesta quarta-feira que Kirsten Nematandani, ex-presidente da Associação Sul-Africana de Futebol (Safa, na sigla em inglês) seja suspenso por seis anos pela sua participação em um esquema de manipulação de resultados de amistosos da seleção do seu país em 2010, quando foi sede da Copa do Mundo.

Estadão Conteúdo

17 Agosto 2016 | 09h13

O Comitê de Ética da Fifa explicou que os investigadores também solicitaram o banimento por toda a vida de um funcionário da Associação de Futebol do Zimbábue, Jonathan Musavengana, e de Bana Tchanile, ex-treinador da seleção de Togo.

Em veredictos anteriores, quatro funcionários da associação sul-africana foram suspensos por até seis anos pela manipulação dos amistosos preparatórios para a Copa do Mundo de 2010, em que os árbitros foram definidos por Wilson Raj Perumal, de Cingapura, conhecido por sua participação em casos de manipulação.

Agora, portanto, os promotores solicitaram a suspensão de mais três, entre eles Nematandani, que comandou a associação sul-africana de 2009 até 2013. Tchanile, aliás, já foi punido anteriormente por levar uma equipe falsa de Togo para disputar um jogo no Bahrein em 2010.

Em maio de 2010, na preparação para a Copa do Mundo, a África do Sul disputou amistosos com Tailândia, Bulgária, Colômbia e Guatemala. Na vitória por 2 a 1 sobre a Colômbia, foram marcados dois pênaltis para os sul-africanos, sendo que um deles foi repetido após o cobrado falhar - o gol da Colômbia também foi anotado em um pênalti. Já na goleada por 5 a 0 sobre a Guatemala, a arbitragem marcou dois pênaltis para a África do Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.