Fifa pode investigar morte de brasileiro

A morte do jogador brasileiro Cristiano Lima Junior, ocorrida no domingo na Índia, se transforma em mais uma polêmica no futebol. Seu clube, o Dempo Sports, está processando as autoridades locais por negligência no atendimento ao atleta e já levou o caso à polícia. Os cartolas também apresentaram queixa contra o goleiro da equipe adversária, Paul Subrata, por ter dado um soco contra o brasileiro. Como resposta, a All India Football Federation (a federação de futebol da Índia) prometeu iniciar investigações e ainda afirma que, se necessário, irá recorrer à Fifa para apurar as causas da morte. Já a Confederação Asiática de Futebol pressiona os indianos a apresentarem com urgência um relatório que esclareça o incidente.A morte do jogador brasileiro ocorreu durante a partida válida pela decisão da Copa da Federação, entre a sua equipe, o Dempo Sports, e o Mohun Bagan. O brasileiro, que atuou no Vasco da Gama e América do Rio Grande do Norte, foi autor dos dois gols de seu time durante a partida e que deram o título do campeonato ao Dempo. Faltando pouco mais de dez minutos para o fim da partida, o jogador sofreu um soco do goleiro do Mohum Bagan e, poucos instantes depois, caiu. Apesar de ter sido socorrido pelas equipes médicas dos dois times, não sobreviveu e chegou ao hospital da cidade de Bangalore meia hora depois já morto."Vamos avaliar o que ocorreu e uma investigação será aberta para apurar os fatos", afirmou à Agência Estado o secretário administrativo da entidade, Alex de Souza. Até a noite desta segunda-feira, as autoridades indianas apontavam que estavam esperando o resultado do laudo médico para iniciar a investigação. Segundo a federação, outros documentos, como o relatório do árbitro da partida, informações de testemunhas e vídeos da partida serão usados na apuração.Além de dados sobre o estado de saúde de Cristiano, a federação vai querer informações sobre as condições de atendimento do estádio de Bangalore, onde ocorria a partida. O clube do brasileiro acusa os organizadores da partida de não estarem preparados para uma urgência médica e optaram por fazer uma queixa contra a associação de futebol de Karnataka, estado indiano cuja capital é Bangalore. Uma das queixa do Dempo é de que o hospital para onde foi levado o jogador era longe demais do estádio. A federação, porém, afirma que tem um acordo com o hospital há 12 anos.O clube ainda alega que não havia medicamentos adequados no estádio e que uma ambulância não estava no local adequado. Até mesmo uma queixa contra o goleiro foi feita à polícia, já que o brasileiro caiu após um soco dado pelo goleiro do time adversário. "Essa história está se tornando um mistério", afirmou um dos principais comentarista esportivos da Índia, Novi Kapadia, em entrevista à Agência Estado. O comentarista lembra que, ao final da partida, os jogadores do Dempo caíram em lágrimas, mesmo tendo vencido o campeonato pela primeira vez na história do clube."Parecia que o Dempo havia perdido o campeonato. Todos choravam e não houve celebração", afirmou.Cristiano, apesar de não ser conhecido no Brasil, era um dos astros do futebol indiano e tinha um dos maiores salários do país. Segundo Kapadia, o brasileiro marcou 21 gols quando atuava pelo East Bengal no ano passado. "Cristiano era um grande jogador aqui na Índia", afirmou, lembrando que era religioso e que não bebia nem fumava. Nesta segunda-feira, o corpo do brasileiro, de 24 anos, foi transportado da cidade de Bangalore para Goa, cidade do time do brasileiro. Segundo a embaixada do Brasil em Nova Déli, o corpo do jogador só será levado para o País após a conclusão do atestado de óbito, o que deve ocorrer nos próximos dias.De acordo com o governo, todos os custos do transporte serão pagos pelo time de Cristiano e a federação de futebol ainda enviou uma carta à embaixada se colocando à disposição para ajudar a facilitar qualquer problema envolvendo o transporte do corpo ao Brasil.Cristiano é mais um na ampla lista de jogadores que morreram durante partidas de futebol nos últimos meses. Além do brasileiro, as outras tragédias aconteceram com o jogador de Camarões Mark Vivian-Foe e do húngaro Miklos Feher, que atuava pelo Benfica de Portugal. Mais recentemente, o caso de Serginho, do São Caetano, também chamou a atenção dos dirigentes do futebol.FIFA - Mas enquanto a federação indiana inicia suas investigações e a lista de jogadores que morrem em campo aumenta, a Fifa, órgão máximo do futebol, se limita a "lamentar" os incidentes. Nesta segunda-feira, a assessoria da entidade informou apenas que o presidente da Fifa, Joseph Blatter, estava enviando cartas de condolências aos familiares do jogador. A Fifa não comentará o incidente enquanto não receber os relatórios médicos da Índia, mas insiste que está acompanhando com atenção todos esses incidentes no futebol. Além de estudar a elaboração de um manual para orientar os departamentos médicos dos clubes, a Fifa negocia uma redução no número de partidas disputadas por cada jogador por ano. Por enquanto, porém, a entidade não prevê medidas disciplinares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.