Jibril Rajoub/Alexander Zemlianichenko
Jibril Rajoub/Alexander Zemlianichenko

Fifa pode punir dirigente palestino por pedir queima de fotos de Messi

Jibril Rajoub, presidente da Federação Palestina, disparou contra o cancelamento do amistoso entre Argentina e Israel

Estadão Conteúdo

15 Junho 2018 | 09h06

A Fifa abriu um processo disciplinar contra o presidente da Federação Palestina de Futebol (FPF), Jibril Rajoub, por incitar que árabes e muçulmanos queimassem objetos relacionados a Lionel Messi, em protesto contra o cancelamento do amistoso entre Argentina e Israel que seria disputado em Jerusalém antes do início da Copa do Mundo.

Sampaoli mantém titulares, mas se preocupa com a defesa antes da estreia

+ Técnico tira responsabilidade da Islândia e joga pressão sobre a Argentina

+ 'Temos obrigação de estar entre os 4', cobra Burruchaga, herói argentino de 1986

Organizadas por grupos que defendem a causa palestina, manifestações contrárias à realização do jogo, marcado para o dia 9, resultaram no cancelamento da partida, por decisão da Associação de Futebol Argentino (AFA).

De acordo com a Fifa, "a mídia amplamente reportou" pedidos de Rajoub para que uniformes do Barcelona e da Argentina com o nome de Messi, e fotos do jogador, fossem queimados se o atacante participasse do amistoso.

 

Por causa do cancelamento, o único jogo de aquecimento da Argentina antes da Copa do Mundo foi contra o Haiti, na despedida da seleção do país. Em La Bombonera, em Buenos Aires, os argentinos venceram a seleção caribenha por 4 a 0.

A Argentina vai estrear na Copa do Mundo contra a Islândia, às 10 horas (de Brasília) deste sábado, no Spartak Stadium, em Moscou. Em seguida, os argentinos vão enfrentar a Croácia, no dia 21, em Nijni Novgorod, e terminarão participação no Grupo D contra a Nigéria, no dia 26, em São Petersburgo.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.