Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Elijah Nouvelage / AFP
Elijah Nouvelage / AFP

Fifa pune México por gritos homofóbicos; presidente da federação teme exclusão da Copa do Mundo

Sanção inclui a realização de dois jogos da seleção com portões fechados, além do pagamento de uma multa no valor equivalente a R$ 330 mil

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2021 | 21h53

O Comitê Disciplinar da Fifa puniu a Federação Mexicana de Futebol (FMF) pelos gritos homofóbicos de torcedores mexicanos durante o torneio de qualificação da Concacaf para os Jogos Olímpicos de Tóquio. A sanção inclui dois jogos oficiais da seleção nacional, em casa, com portões fechados, além do pagamento de 60 mil francos suíços (cerca de R$ 330 mil). 

As ofensas aconteceram em jogos contra a República Dominicana e os EUA, mas também ocorrem constantemente nos estádios do país. Os alvos geralmente são os goleiros rivais, no momento em que rifam a bola no tiro de meta. 

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira, o presidente da FMF, Yon de Luísa, confirmou a punição e pediu aos torcedores mexicanos que parem com os gritos para evitar o risco de sanções mais enérgicas da Fifa, como a exclusão da Copa do Mundo do Catar.

"Temos de parar com isso agora", exigiu Luísa. "O efeito pode ser devastador para a indústria mexicana do futebol. Que seja a última sanção que a Fifa nos dá", completou. 

Na mesma conferência, o técnico da seleção, o argentino Gerardo Martino, pediu aos torcedores uma reflexão sobre o significado deste tipo de atitude. "Podemos perder uma competição internacional", disse. 

Desde 2015, quando a Fifa começou a sancionar financeiramente o grito homofóbico, a FMF pagou mais de US$ 350 mil em multas, incluindo uma na partida com a Alemanha pela Copa do Mundo da Rússia, em 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.