Ennio Leanza/EFE
Ennio Leanza/EFE

Fifa quer ficha limpa e limite de mandatos nas entidades nacionais

'A Fifa não pode fazer as coisas sozinha', afirma presidente

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE EM ZURIQUE, O Estado de S. Paulo

20 de julho de 2015 | 11h49

A Fifa quer que entidades nacionais, como a CBF, publiquem os salários de seus cartolas, que implemente uma "ficha limpa" para aqueles que sejam eleitos e ainda que haja um limite de mandatos para quem está no poder. Nesta segunda-feira, Joseph Blatter, presidente da Fifa, concedeu sua primeira entrevista coletiva desde que renunciou ao cargo e deixou claro que a ausência de Marco Polo Del Nero, presidente da CBF, na reunião do comitê executivo da entidade foi ignorada por ele. O evento também foi marcado por um protesto, que deixou Blatter visivelmente abalado.

"Os membros do comitê executivo são convidados a participar de encontros", disse Blatter. "Não tivemos todos eles e um, como no caso da CBF, decidiu não vir. Mas esse é seu problema. Não teve qualquer influencia nas decisões da Fifa", garantiu o presidente da Fifa.

Del Nero, depois da prisão de José Maria Marin, ex-presidente da CBF, decidiu não sair mais do Brasil. Na reunião mais importante da Fifa em anos, a confederação brasileira não foi representada, o que causou críticas.

Na reunião, a Fifa aprovou a criação de um grupo de trabalho para avaliar uma reforma na entidade. Mas Blatter deixou claro que a condição é de que todas as entidades, regionais e nacionais, também sigam o mesmo processo. "A Fifa não pode fazer as coisas sozinha", disse.

Entre as propostas ainda está a aplicação de uma exigência de que os dirigentes tenham uma "ficha limpa" antes de assumirem qualquer cargo. Outra medida proposta é a de colocar limite a mandatos, algo que Blatter nunca aceitou, permanecendo como presidente da Fifa por quatro mandatos. Segundo ele, foi a Uefa que vetou no passado a adoção de limites. "É importante reduzir o numero de mandatos de todos, nas Fifa, nas confederações e nas entidades nacionais", acrescentou.

Por fim, ele quer a publicação do salário de todos. Questionado se revelaria quanto ganha, Blatter se recusou. "Todos terão de apresentar suas rendas. Podem me perguntar quantas vezes quiserem. Mas o farei quando todos o farão", disse.

Blatter ainda desfez qualquer dúvida se pode continuar no comando da Fifa. Ele convocou eleições para o dia 26 de fevereiro e garantiu que não será candidato. "Um novo presidente será eleito", disse. O suíço indicou que, depois de 40 anos na Fifa, quer trabalhar numa rádio e falar de geopolítica. "O rádio é o mais popular. Espero que alguém me queira", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.