Fifa reage à decisão da CAS e suspende Bin Hammam

Depois de ter a sua punição vitalícia imposta pela Fifa anulada pela Corte Arbitral do Esporte (CAS), na semana passada, o catariano Mohammed bin Hammam foi suspenso provisoriamente por 90 dias, nesta quinta-feira, pela entidade que controla o futebol mundial de qualquer atividade em nível nacional ou internacional ligada ao esporte mais popular do planeta.

AE, Agência Estado

26 de julho de 2012 | 13h46

A Fifa explicou que a decisão foi tomada com base no artigo 83 do Código de Ética da entidade, "a fim de evitar a interferência com o estabelecimento da verdade em relação a uma investigação preliminar iniciada nos termos do artigo 62" justamente do seu respectivo código.

Ex-presidente da Confederação Asiática de Futebol, Bin Hammam ganhou o recurso contra uma punição imposta pela Fifa que o afastava do futebol pelo resto da vida depois de ter sido acusado de pagar propina para conseguir votos em sua candidatura à presidência da entidade mundial, em 2011. Porém, de acordo com a CAS, não foram reunidas "provas diretas" suficientes que condenassem o dirigente.

Na semana passada, a Fifa condenou, por meio de nota oficial, a decisão tomada pela CAS, alegando que a própria corte admitiu não estar convencida da inocência comprovada do catariano e que "é provável que o recorrente (Bin Hammam) tenha sido a origem do dinheiro que foi levado a Trinidad e Tobago e acabou sendo distribuído na reunião (da União Caribenha de Futebol nos dias 10 e 11 de maio de 2011)".

Bin Hammam enfrenta novas acusações de corrupção na Confederação Asiática de Futebol, que pediu na semana passada pela quebra de seu sigilo bancário. Antes disso, o catariano foi punido depois que a Fifa encontrou provas de que ele teria oferecido US$ 40 mil dólares (cerca de R$ 80 mil) a dirigentes do Caribe para comprar votos em sua candidatura à presidência da principal entidade do futebol mundial.

Suspenso, Bin Hammam acabou sendo obrigado a desistir de enfrentar Blatter na eleição que garantiu mais quatro anos de mandato ao suíço à frente da Fifa. Ele negou todas as acusações feitas contra ele e, na época, disse que estava sendo punido porque representava uma ameaça ao domínio do presidente da entidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.