Fifa rejeita realizar Copa do Mundo de 2022, no Catar, no início do ano

Entidade máxima do futebol não pretende modificar o calendário internacional de jogos

Brian Homewood, Reuters

20 de janeiro de 2011 | 11h39

BERNA - A Fifa rejeitou a hipótese de a Copa do Mundo ser realizada no inverno do hemisfério norte em 2022 [ou seja, no início do ano], dizendo que não pretende mudar o calendário internacional e que qualquer mudança de datas teria que ser proposta pelo Catar, que vai sediar a Copa nesse ano.

O Catar já disse querer que o Mundial aconteça no verão, conforme apresentado em sua candidatura. "Não existe neste momento nenhum plano concreto de modificar o calendário internacional de jogos," disse a Fifa em comunicado.

O comunicado aparentemente assinala uma mudança radical de postura da federação internacional de futebol, já que, este mês, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, tinha dito prever que o torneio de 2022 acontecesse no inverno.

As declarações de Blatter ecoaram as de outras figuras importantes do futebol, incluindo o presidente da Uefa, Michel Platini, que chegou a sugerir que o Catar pudesse dividir a Copa com alguns de seus vizinhos.

Mas Mohammed Bin Hammam, o presidente catariano da Confederação Asiática de Futebol, disse que o Catar vai resistir aos esforços para mudar a data do Mundial de 2022.

"Apresentamos nossa candidatura sugerindo que vamos estar preparados para sediar a Copa em junho e julho. E dissemos que vamos enfrentar todos os desafios e vamos atender a todos os requisitos," disse Bin Hammam à Sky News na semana passada.

A declaração de Blatter suscitou sugestões de que a Fifa estaria, na prática, mudando as regras, já que a disputa para sediar o Mundial de 2022 - na qual o Catar derrotou as candidaturas da Austrália, Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul - foi baseada em um torneio que seria realizado em junho e julho.

A mídia norte-americana pediu que, se a data da Copa de 2022 for mudada, a concorrência seja refeita. O Catar insistiu que o calor sufocante de seu verão não será problema, já que todos seus estádios terão ar condicionado. Além disso, declarou que os estádios poderão ser desmontados ao término da Copa e enviados a países em desenvolvimento. Mas isso não desfez os receios em torno do calor.

Philipp Lahm, capitão da seleção alemã na Copa do ano passado, disse que seria "insensatez" fazer uma Copa do Mundo no Oriente Médio, e a equipe de inspeção da Fifa disse que as condições representam problemas potenciais de saúde para jogadores e torcedores.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2022Fifafutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.