Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Fifa se impressiona com qualidade do gramado da Arena Corinthians

Estádio em Itaquera será palco da abertura da Copa do Mundo, com a seleção brasileira em campo

O Estado de S. Paulo

30 de outubro de 2013 | 20h41

SÃO PAULO - A bola ainda não rolou no Estádio do Corinthians, mas o o gramado do Itaquerão já tem a aprovação da Fifa, que nesta quarta-feira fez uma inspeção no local e gostou do que viu. Os membros da entidade que estiveram na arena levaram em consideração a textura/dureza da grama, sua resistência à tração, a densidade/uniformidade do plantio, o vivelamento do gramado, além da temperatura e umidade do gramado.

O Corinthians garante que não economizou para colocar o gramado no seu estádio, e se valeu de modernas tecnologias, de acordo com seus administradores: a subestrutura é dotada de sistemas de drenagem a gravidade e por sucção (usado em dias de chuvas intensas antes ou durante o jogo). Segundo a Odebrecht, nas raízes da grama circulam milhares de metros de finos tubos de plásticos onde circulam água gelada para que, durante o calor, a grama se mantenha viva e saudável. A grama do Itaquerão é do tipo Raygrass, especial para o inverno e usada em campos europeus. Esse lote plantado no Estádio do Corinthians teve as sementes importadas dos Estados Unidos.

O gramado recebe tratamentos diários de adubagem, cortes e irrigação. Existe a programação de um novo "plantio" de grama artificial, cujos fios serão introduzidos até as raízes da grama natural. De acordo com especialistas, essa mistura contribui para a densidade e resistência do gramado de forma geral. Isso evita, por exemplo, que tufos de grama sejam arrancados do terreno por jogadores, digamos, sem muita habilidade. Os fios artificiais ocuparão 7% da área total do campo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.