Kin Saito/CBF
Kin Saito/CBF

Fifa seleciona árbitra brasileira Edina Alves para Mundial de Clubes no Catar

Juíza já havia feito história em 2019 ao se tornar a primeira mulher a atuar na Série A do Campeonato Brasileiro em 14 anos

Redação, Estadão Conteúdo

04 de janeiro de 2021 | 08h38

O Brasil ainda tem chances de disputar o Mundial de Clubes da Fifa, em fevereiro, no Catar, com Palmeiras ou Santos, que estão nas semifinais da Copa Libertadores, mas já garantiu presença na competição. Nesta segunda-feira, a entidade anunciou o quadro de arbitragem e nele está a paranaense Edina Alves Batista como árbitra e a catarinense Neuza Back no posto de assistente.

A Fifa selecionou para o torneio sete árbitros de campo e 12 assistentes, além de outros sete árbitros de vídeos para a operação do sistema de VAR. Os oficiais das partidas viajarão para o Catar uma semana antes do início do Mundial de Clubes, que será realizado entre os dias 1.º e 11 de fevereiro. A Fifa garantiu que eles receberão os cuidados necessários contra a pandemia do novo coronavírus.

Edina tem 40 anos e nasceu em Goioerê, no Paraná. Sua indicação dá sequência a exemplos da Fifa de colocar mulheres para apitar competições masculinas, como na Copa do Mundo Sub-17 de 2017, quando a suíça Esther Staubli trabalhou em um dos jogos da competição, e depois continuada pela uruguaia Claudia Umpierrez, que esteve no último Mundial Sub-17, realizado no Brasil em 2019. Será a primeira vez que Edina participará de um jogo internacional de futebol masculino e também a primeira vez que uma partida oficial de futebol masculino profissional será comandada por uma árbitra em uma competição da Fifa.

Edina Alves Batista faz parte do quadro de árbitras da Fifa desde 2016 e já apitou na Série A do Campeonato Brasileiro. Ela trabalhou também no último Mundial Feminino (França-2019), no qual comandou a semifinal entre Inglaterra e Estados Unidos. Já Neuza Back é assistente da Fifa desde 2014. Ela também esteve no último Mundial Feminino e trabalhou recentemente no jogo entre Vélez Sarsfield e Peñarol, pela Copa Sul-Americana.

Em 2019, Edina apitou CSA e Goiás pelo Campeonato Brasileiro e se tornou a primeira mulher a atuar na Série A em 14 anos. A última havia sido Silvia Regina de Oliveira, em 2005. Edina atuava como assistente, porém decidiu recomeçar a carreira como árbitra, voltou a apitar nas categorias de base e cresceu até conseguir atingir o nível de apitar uma partida da Série A. Na opinião do presidente a Comissão de Arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba, a escalação de Edina naquela rodada representou um feito histórico para o futebol brasileiro. Desde então, ela foi árbitra central em 13 jogos na Série A. Em entrevista ao Estadão, em 2019, a árbitra revelou que ainda tem o sonho de apitar uma partida nos Jogos Olímpicos.

“A inclusão das árbitras pela primeira vez em um Mundial de Clubes nos deixa orgulhosos. Mulheres conquistando espaços simplesmente por causa de sua capacidade no campo”, disse Wilson Seneme, presidente da Comissão de Arbitragem da Conmebol.

O Mundial de Clubes vai utilizar três estádios da Copa do Mundo de 2022. O sorteio para determinar os cruzamentos está previsto para o próximo dia 19, em Zurique, na Suíça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.