Christian Thompson / AP
Christian Thompson / AP

Fifa suspende vice da Confederação Africana por suspeita de corrupção

Kwesi Nyantakyi foi flagrado recebendo 65 mil dólares (R$ 250 mil) para ser interlocutor junto ao presidente de Gana

Estadão Conteúdo

08 Junho 2018 | 11h54

A Fifa anunciou nesta sexta-feira a suspensão do ganês Kwesi Nyantakyi, atual vice-presidente da Confederação Africana de Futebol, por suspeita de corrupção. Ele foi punido por ter sido flagrado em um documentário recebendo dinheiro de repórteres disfarçados. Nyantakyi é integrante do Conselho da Fifa, órgão que substituiu o Comitê Executivo.

Justiça condena jogador de Gana à prisão por estupro de garota de 14 anos

+ Gana corre risco de ser suspensa da votação para escolha da sede da Copa de 2026

O Comitê de Ética da entidade máxima do futebol suspendeu o ganês por 90 dias. E pode aumentar a punição par mais 45 dias. Com a decisão, ele não poderá participar da reunião do Conselho da Fifa no domingo, em Moscou, às vésperas da Copa do Mundo. Também ficará de fora da eleição para a escolha da futura sede do Mundial de 2026, três dias depois.

A Fifa indicou que não haverá qualquer consequência sobre a seleção de Gana, que não disputará a Copa do Mundo da Rússia.

Nyantakyi foi flagrado em um documentário recebendo US$ 65 mil (cerca de R$ 250 mil). No contato com os produtores da obra, que eram repórter disfarçados de empresários, o ganês recebia o dinheiro com a promessa de ajudar os interlocutores com favores junto ao presidente e ao vice-presidente do país.

 

A Fifa o puniu porque proíbe o recebimento de qualquer presente sob a forma de dinheiro. Além disso, por ser o presidente da Federação de Futebol de Gana, Nyantakyi está causando uma grave crise no esporte do país. O governo do país, ao ser informado sobre o documentário, decidiu dissolver a entidade nacional, suspendendo provisoriamente a disputa de jogos oficiais em Gana.

Os integrantes do governo federal negaram relação próxima com o dirigente esportivo e deu início a uma investigação policial sobre o caso. Também pediu o apoio da Confederação Africana e da própria Fifa para poder retomar o futebol no país nos próximos dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.