Kai Pfaffenbach/Reuters
Kai Pfaffenbach/Reuters

Fifa vai realizar seu sonho com final entre Brasil e Espanha, no Maracanã

Mundo do futebol acompanhará duelo entre a campeã mundial e a seleção mais vencedora da história

Jamil Chade - Enviado especial, O Estado de S. Paulo

28 de junho de 2013 | 08h05

RIO - A final entre Brasil e Espanha era tudo o que a Fifa e os patrocinadores queriam. Fontes na Real Federação Espanhola de Futebol revelaram ao Estado que uma partida amistosa entre as duas seleções foi negociada por meses.

Mas as delegações foram "convencidas" pela Fifa e por patrocinadores a tentar guardar esse confronto para um jogo oficial, de preferência, uma grande final.

A Espanha foi a campeã da Eurocopa de 2008, da Copa do Mundo de 2010 e da Eurocopa de 2012. Para alguns, esses resultados colocaram a seleção espanhola entre as melhores da história. Mas esse status não seria comprovado se não enfrentassem e vencessem o Brasil, maior campeão da história.

Desde 2011, pelo menos em duas ocasiões, a CBF e a Real Federação Espanhola chegaram a negociar a realização da partida. Mas o projeto foi frustrado, em parte por conta da falta de datas, mas também diante do lobby de dirigentes para que o jogo mais aguardado dos últimos anos não fosse apenas um amistoso, inclusive para garantir a maior renda possível e exposição mundial.

Empresários ligados à CBF confirmaram ainda ao Estado que os espanhóis aproveitaram o lobby dos patrocinadores para recusar jogos contra o Brasil, o que chegou a ser interpretado em algumas ocasiões como uma certa prepotência por parte dos campeões mundiais.

Logo, patrocinadores de ambos os lados também encamparam a ideia de não realizar o confronto em apenas um amistoso, justamente para garantir maior publicidade internacional.

A Fifa já indicou que a Copa das Confederações está batendo recordes de audiência pelo mundo, em comparação às outras edições do torneio. O jogo final entre a atual campeã e a maior campeã da história só aumentaria esse recorde, valorizando a competição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.