Fifa vive saia-justa ao falar sobre a tecnologia na Copa do Mundo

Sistema de som da sala de imprensa do Maracanã não funcionou quando o diretor de tecnologia da entidade, Dick Wiles, foi falar

JAMIL CHADE - Enviado especial ao Rio, O estado de S. Paulo

24 de junho de 2014 | 20h43

Os responsáveis por tecnologia na Fifa viveram nesta terça-feira uma saia-justa no Maracanã. Uma coletiva de imprensa havia sido convocada para mostrar o que estava sendo feito no setor com relação às transmissões e às conexões com internet nos 12 estádios da Copa do Mundo. Mas, quando o diretor de tecnologia da entidade, Dick Wiles, foi falar, seu microfone e todo o sistema de som foi desligado.

O sorriso amarelo do diretor diante dos jornalistas não pôde ser evitado e nem os comentários da assessoria de imprensa da entidade tentando brincar com a situação. "Pelo menos temos as pessoas certas para arrumar isso aqui", declarou Delia Fischer, porta-voz da Fifa.

Minutos depois, o problema foi arrumado. Mas, quando ele tentou falar uma vez mais, o sistema de som da sala de imprensa do Maracanã voltou a cair, interrompendo a conferência de imprensa novamente. Quando finalmente começou a falar, e já com o sistema de som e de tradução funcionando, o diretor apontou como o sistema nos estádios permitiu a conexão de 150 mil aparelhos ao mesmo tempo e como a estrutura montada já tinha permitido o fluxo de 32 terabites de informação em apenas duas semanas de Copa - isso foi equivalente a todo o fluxo do Mundial de 2010, na África do Sul. 

Questionado sobre o sistema de telefonia e de 4G nos estádios, o responsável da Fifa admitiu que existia muita preocupação antes do Mundial de que a operação não funcionaria. "Sem ter sido testada, o que tínhamos não era por nenhum grau de imaginação o que precisávamos", admitiu Wiles. "Mas, graças à experiência das equipes e sua capacidade, fomos capazes de evitar problemas."

No primeiro jogo da Copa, em São Paulo, o estádio não contava ainda com uma rede de internet estável, deixando centenas de jornalistas com sérios problemas para enviar suas matérias. Questionado sobre o que achava do sistema 4G no Brasil, Wiles foi diplomático, mas não deixou de dar seu recado. "A cobertura precisa ser amadurecida", avisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.