Figueirense bate Corinthians no Pacaembu

Como no futebol o que vale é bola na rede, as quatro bolas na trave que o Corinthians acertou nesta quinta-feira não resolveram nada. Bom para o modesto Figueirense, que em uma jogada conseguiu o gol que lhe garantiu a vitória por 1 a 0, no Pacaembu. O resultado praticamente tirou a chance de os corintianos entrarem na briga pelo título. A equipe permaneceu com 33 pontos e Geninho fica no comando até a diretoria encontrar um substituto. Tite, do São Caetano, Jairo Leal (auxiliar) e Juninho, técnico do juvenil, podem assumir. "Se acharem que a saída do Geninho é melhor para o Corinthians, vamos conversar sobre isso", afirmou o técnico nos vestiários, já em tom de despedida.Como se não bastasse a pressão de bastidores, Geninho não sabe mais o que fazer para dar o mínimo de padrão de jogo ao time. Há momentos em que a equipe do Corinthians chega a irritar, tamanha a mediocridade de seu desempenho. O que fica ainda mais claro quando o adversário é fraco, tanto tática como tecnicamente, como foi o caso nesta quinta-feira.E quando a fase não é boa, parece que tudo converge contra. Mesmo confuso e desorganizado, o time do Parque São Jorge teve mais volume de jogo. Nada menos do que quatro finalizações terminaram na trave. Se por um lado o treinador não consegue impor suas idéias e parece ter perdido a liderança sobre o grupo, os jogadores não colaboram. Na véspera diziam que existia um pacto para ?salvar a pele? do comandante, nesta quinta-feira foram displicentes na hora de marcar. Para piorar, o goleiro catarinense, Edson Bastos, teve atuação destacada.O resultado não poderia ser pior. Time sem criatividade, o Figueirense apostava nas jogadas de bola parada. E foi assim que, aos 38 minutos do segundo tempo, marcou o gol da vitória. William cobrou falta rasteira pelo lado esquerdo do ataque. A bola atravessou toda a área e foi parar direto nas redes de Rubinho.A torcida, que até aquele momento ainda se esforçava para apoiar a equipe corintiana, não suportou o revés. O ensaio de vaia no momento que Geninho trocou Robert por Jamelli, ganhou tônica. Agora, nem mesmo os torcedores estão do lado do treinador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.