Figueirense derrota São Caetano por 1 a 0

O Figueirense manteve o aproveitamento de 100% em seu campo, ao conquistar a terceira vitória em casa, a quarta em seis jogos disputados no Campeonato Brasileiro da Série A. Com um gol marcado aos seis minutos do segundo tempo, em partida diante do São Caetano, o alvinegro catarinense terminou a sexta rodada na condição de vice-líder com 12 pontos. No próximo sábado, o Figueirense joga diante do Botafogo, no Rio. Já no domingo, o São Caetano receberá o Vasco. O primeiro tempo foi caracterizado pela falta de criatividade e iniciativas que pudessem empolgar o bom público presente ao Estádio Orlando Scarpelli. Um futebol que ficou aquém da expectativa gerada pela importância do confronto, pobre e de raras ações ofensivas proporcionadas pelas equipes. Sem conseguir fazer a ligação do meio com o ataque e com um grande número de passes errados, o Figueirense marcou o primeiro tempo com algumas tentativas em jogadas de bola parada. Foi assim aos cinco minutos, quando o zagueiro Márcio Goiano efetuou uma delas para exigir grande defesa do goleiro Sílvio Luiz. O São Caetano tentou pelo meio e respondeu aos 13 num chute potente de Fabrício Carvalho na rede pelo lado de fora. Com dificuldades de aproximação, o Figueirense teve uma boa chance aos 31, quando Sérgio Manoel cobrou falta passando muito próxima da trave defendida pelo goleiro Sílvio Luiz. No restante do período, o Alvinegro pecou pelos erros de passes e esbarrou na estatura da defesa paulista. Também descontente com a performance do time, o técnico Dorival Júnior determinou mais ousadia para seus jogadores no segundo tempo e a partir dos seis minutos, o Figueirense fez o panorama do confronto mudar depois que marcou o seu gol através do oportunista Rodrigo. O centroavante interceptou uma falta cobrada por Sérgio Manoel e chutou duas vezes até vencer o goleiro Sílvio Luiz. A partir da vantagem, o jogo ficou mais aberto e dinâmico. O São Caetano se lançou ao ataque com mais freqüência e vontade para tirar a vantagem do alvinegro. Emocionante, o período também foi marcado pela intranqüilidade das duas equipes nos momentos das finalizações, especialmente o São Caetano que demonstrou nervosismo aparente. O time paulista desperdiçou sua melhor chance aos 47 minutos, quando Fabrício Carvalho finalizou, de cabeça, uma jogada que o zagueiro Márcio Goiano tirou quase dentro do gol. Descontrolado, os jogadores e dirigentes do São Caetano partiram com agressões verbais contra Alicio Pena Júnior, quando o árbitro mineiro deu por encerrada a partida. Protestaram contra o excessivo número de cartões aplicados ao time e a inversão de algumas jogadas, especialmente no segundo tempo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.