Figueirense e Flamengo empatam: 0 a 0

O Figueirense pressionou, intimidou constantemente o adversário, mas não conseguiu ir além de um empate sem gols, nesta quarta-feira, com o Flamengo, em Florianópolis. O time catarinense esbarrou na postura defensiva da equipe carioca que, pela situação adversa, deixou a capital catarinense com o sentimento do dever cumprido. O resultado manteve o alvinegro catarinense pela terceira rodada consecutiva na mesma colocação, em 15º.A velocidade, principalmente pelas laterais, empregada pelo Figueirense e o toque de bola, combinado com arranques em contra-ataques do Flamengo, caracterizaram o primeiro tempo de jogo.Com visível respeito à tradição do Figueirense quanto joga em casa, o Flamengo mostrou criatividade concentrar o jogo no meio-de-campo. O goleiro Júlio Cesar, lesionado, cedeu lugar para Diego logo aos 17 minutos de jogo. As principais investidas catarinense sempre foram pela esquerda, principalmente com o ala Triguinho. Ele mostrou vantagem sobre a marcação de Rafael e foi dele a mais importante chance do Figueirense aos 21 minutos ao chutar cruzado para Diego fazer grande defesa.O Flamengo respondeu num contra-ataque aos 23, com Zé Carlos finalizando para fora. O período terminou com o Figueirense pressionando contra um Flamengo com jogadas pelo meio e assistências para as investidas isoladas de Igor, Edílson ou Zé Carlos.Sob pressão no segundo tempo, o Flamengo limitou suas ações à marcação e poucas investidas. Muita insistência e poucas finalizações caracterizaram o desempenho do Figueirense. Aproveitando-se da retranca flamenguista, partiu sempre com velocidade. O meia William roubou a cena aos 14 com um cabeceio que Diego segurou firme depois de um escanteio. Com dificuldades em definir as jogadas de ataque e às vezes atrapalhado, o alvinegro catarinense teve dificuldades de penetrar na defesa, mesmo com jogadas aéreas, ora com William, ora com os laterais Paulo Sérgio e Triguinho.O imprevisível Edílson deu um susto nos quase 19 mil torcedores aos 25, quando finalizou para exigir difícil defesa de Edson Bastos. Aos 32 foi a vez de Bilu perder na assistência de Edmilson pela direita. O Figueirense fechou a noite improdutiva com um chute sem perigo do volante Carlos Alberto aos 46.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.