Figueirense e Paysandu ficam no 3 a 3

Numa das mais belas disputas já vistas no Estádio Orlando Scarpelli, Figueirense e Paysandu ficaram no empate por 3 a 3, neste sábado, em Florianópolis (SC). O time da casa, que estreava diante de sua torcida o atacante Edmundo, autor de dois gols, esteve atrás no placar na maior parte do jogo, virou aos 41, mas cedeu o empate para o heróico time paraense aos 47 do segundo tempo. O time catarinense permanece na zona de rebaixamento com seis pontos e volta a jogar no próximo domingo diante do Botafogo, no Rio de Janeiro (RJ). No mesmo dia, o Paysandu, com oito pontos, joga diante do Palmeiras, em Belém (PA).Sem se deixar envolver, o Paysandu iniciou a partida jogando de igual para igual. Mas foi o Figueirense, com o lateral Michel Bastos, aos três minutos, em cobrança de falta na barreira e Edmundo, aos oito, de cabeça, no alto, quem primeiro arriscou. O time paraense respondeu, com sucesso aos nove, quando o atacante Eder Ceccon cobrou falta fazendo a bola chegar em Robson que, sem querer, desviou no canto do goleiro Edson Bastos.Inferiorizado, o Figueirense assumiu totalmente o controle do jogo acionando constantemente o atacante Edmundo, mas faltou pontaria. Edmundo, aliás, foi o protagonista de inúmeras chances, ora com finalizações equivocadas, ora com grandes defesas do goleiro Alexandre Favaro. O período foi marcado por dois pênaltis desperdiçados. O primeiro, aos 28, Róbson parou na bela defesa, no canto, do goleiro Edson Bastos e aos 30, Edmundo também foi traído pela eficiência do goleiro paraense, que desviou para escanteio. Bem organizado principalmente na defesa, o Paysandu soube valorizar a posse de bola e sustentar a vantagem até a conclusão do período.Mas a estrela de Edmundo brilhou aos cinco do segundo tempo ao escorar, de cabeça, um cruzamento de Marquinhos Paraná. E numa bobeira da defesa do time catarinense, aos 20, o oportunista Robson pôs novamente o Paysandu em vantagem ao interceptar um cruzamento na segunda trave. Se já era dinâmica, a partida, então se tornou eletrizante com o gol de Alexandre, aos 37, numa finalização confusa que igualou o placar em 2 a 2. Aos 41, o atacante Adriano fez a proteção para a chegada de Edmundo virar o placar. E quando a vitória catarinense parecida consolidada, o zagueiro Nelinho, aos 47, sem marcação evitou a derrota deixando tudo igual no placar: 3 a 3. "Para mim foi uma frustração. Primeiro por ter perdido o pênalti e segundo por não ter conquistado a vitória", desculpou-se Edmundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.