Rajat Gupta/EFE
Rajat Gupta/EFE

Filho de George Weah brilha pelos Estados Unidos no Mundial Sub-17

Timothy foi o destaque das oitavas de final e pretende conduzir seleção americana ao título

Éros Mendes / ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2017 | 07h00

Se George Weah, atualmente candidato à presidência da Libéria, não conseguiu realizar o sonho de jogar uma Copa, um dos filhos do agora político vem honrando o nome da família no Mundial Sub-17, mesmo que ainda seja na base. E na segunda-feira deixou o pai bastante orgulhoso.

Aos 17 anos, Timothy Weah brilhou na competição ao marcar três gols na vitória por 5 a 0 dos Estados Unidos sobre o Paraguai. A partida ocorreu em Nova Deli, na Índia, e garantiu a vaga dos norte-americanos nas quartas de final do Mundial para enfrentar o vencedor do duelo entre Inglaterra e Japão, que será disputado nesta terça-feira. 

Camisa 10, Weah foi o responsável por abrir o marcador diante da equipe sul-americana, logo aos 17 minutos da primeira etapa. Porém, o melhor ainda estava por vir: aos 8 do segundo tempo, a joia dos EUA marcou uma pintura. Ao receber na ponta esquerda, cortou para dentro e soltou uma pancada sem chances para o goleiro. O hat-trick de Weah foi finalizado aos 32, quando o garoto, já na grande área, deu um tapa seco para balançar a rede. Os outros dois gols foram anotados por Carleton e Sargent.

Além de ser o destaque dos EUA, Tim defende a base do Paris Saint-Germain, clube pelo qual o pai também jogou entre 1992 e 1995. Porém, foi com a camisa do Milan, ainda em 1995, que George viveu o ápice da carreira, conquistando a Bola de Ouro e o prêmio de Melhor Jogador do Mundo da Fifa, superando nomes como Paolo Maldini, Jürgen Klinsmann e Romário. 

O garoto nasceu em Nova York e, por ter dupla cidadania, optou por defender a seleção dos EUA. Após iniciar a trajetória no New York Red Bulls, atingiu o objetivo de jogar na Europa. Ele passou a fazer diversos testes e, numa partida contra o PSG, chamou a atenção do clube francês. Não demorou para ser convidado a integrar o elenco do time que seu pai brilhou na década de 90.

Agora, Tim Weah é tratado como grande promessa. O filho de pai famoso tem a condição de um dia chegar à Copa do Mundo, quem sabe em 2022, no Catar. Seja na política ou dentro dos gramados, somente o tempo vai dizer quais serão as próximas páginas escritas pela família de sobrenome famoso na Libéria. Talento com a bola nos pés, inegavelmente, a dupla já provou que tem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.