´Filme sobre Maradona deixará Pelé enciumado´, diz cineasta

"Maradona, a Mão de Deus", filme sobre a vida do ex-craque argentino Diego Maradona entra em cartaz, nesta sexta-feira, em 130 salas de cinema na Itália e deixará Pelé enciumado. Pelo menos é o que acredita o diretor Marco Risi, reforçando a disputa sobre qual dos dois teria sido o melhor jogador de futebol de todos os tempos."Quando o Pelé soube da estréia e o provável sucesso do filme sobre Maradona, em resposta, anunciou que sua vida seria retratada pelos americanos", disse Risi à BBC Brasil, em referência à divulgação, no início da semana, da agência americana WMA (William Morris Agency) de que estaria em produção um filme hollywoodiano sobre o rei do futebol. "Se o Pelé deixar, ´Maradona, a Mão de Deus´ deve entrar em cartaz em breve no Brasil", disse Risi.O filme é uma produção conjunta da Itália e da Espanha, contando com um elenco dos dois países. No papel do ídolo argentino, está Marco Leonardi, conhecido do público brasileiro por suas interpretações em filmes como Cinema Paradiso e Como Água para Chocolate.Segundo o diretor, a vida do ex-jogador argentino é um romance ideal para o cinema. De acordo com ele, Maradona foi um gênio no futebol desde quando jogava nos campinhos empoeirados da periferia de Buenos Aires até a consagração no Boca Juniors, no Barcelona, no Napoli e na seleção argentina. Mas não apenas isto é interessante em Maradona. As peripécias familiares, a dependência da cocaína, as noitadas com mulheres, a prisão, conforme Risi mostram um homem frágil, uma vítima da vida cotidiana."Maradona é o tipo perfeito para fazer um filme. Ele foi o jogador mais extraordinário da história do futebol, que conta com um antes e um depois de Maradona", disse. "Aliado a isto, a vida recheada de aventuras, tragédias e momentos de desespero tornam Maradona merecedor de muito mais do que um filme", acrescentou. "Fazer Maradona foi emocionante e, ao mesmo tempo, muito difícil. Uma grande responsabilidade", afirma o protagonista do filme, o ator Marco Leonardi. "Tive a sorte de conhecer pessoas importantes, amigos de infância, que contaram muitas histórias sobre Maradona e me ajudaram a superar este desafio enorme. Apesar de todos os problemas enfrentados em sua vida, ele é um rapaz do bem, uma pessoa limpa, simpática, genuína. O amigo que todos gostariam de ter". O título do filme é uma homenagem ao famoso gol de mão feito por Maradona no jogo da Argentina contra a Inglaterra na Copa de 86. Para o diretor, uma obra-prima, uma pincelada ao estilo de Picasso. Além do filme de Risi, em poucos meses, deve entrar em cartaz um documentário de Emir Kusturica sobre o ex-craque, rodado em Nápoles, Barcelona e Cuba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.