Fim do jejum alivia grupo corintiano

A melhor definição do que representou a vitória sobre a Inter Limeira partiu do atacante Marcelinho Carioca, o jogador com mais tempo de Corinthians. Ainda em campo, um repórter de rádio quis saber se aquela camisa 7 pesava menos depois do resultado deste sábado: 2 a 1 (a primeira vitória fora de São Paulo no período de 11 meses). Marcelinho tinha a resposta na ponta da língua: "Está pesando uma tonelada a menos".Não foi por acaso que os jogadores comemoraram a conquista dos três pontos como se fosse um título. Até o centroavante Luizão, que voltou da excursão com a seleção brasileira 24 horas antes do jogo com a Inter e tinha todos os motivos para querer deixar o estádio rapidamente e descansar, fez questão de parar e fazer um desabafo. "Graças a Deus que eu voltei para marcar o gol que livrou o time desse tabu", comemorou o atacante. Em seguida, Luizão acrescentou: "Essa vitória é para todo mundo".De sua parte, o técnico Wanderley Luxemburgo fez o possível para demonstrar que o resultado foi tão normal quanto as derrotas que o time sofreu nas rodadas passadas. "A gente ia sair dessa naturalmente, foi hoje. Mas eu tenho que admitir que a vitória aliviou os jogadores. Mas as cobranças não vão parar porque vencemos hoje. Na semana que vem, vão questionar o seguinte: será que o Corinthians continuará vencendo? Ou a rotina de derrotas vai voltar? No Corinthians você tem de estar sempre habituado a enfrentar pressões. É uma coisa normal".Apesar do clima de ?esta?, Wanderley Luxemburgo não abandonou a sua cruzada contra o regulamento do Campeonato Paulista, que, na sua opinião, ?privilegia os times do interior?. "Esse campeonato é muito complicado. Não estou reclamando porque todos os presidentes de clubes assinaram o regulamento e aceitaram as condições do Farah. Mas se vocês me perguntarem se eu acho justo, eu digo que não."Luxemburgo ficou ainda mais inconformado ao saber que o clássico diante do Santos, no próximo domingo, pode ser transferido para uma cidade do interior. "Se isso se confirmar, o campeonato vai ficar ainda mais complicado", desabafou o treinador. "Mas, enfim, os dirigentes aceitaram e os clássicos pertencem à Federação. Não há como fugir."Para o próximo jogo, o Corinthians não poderá contar com três titulares: Scheidt, André Luiz e Marcos Senna - todos suspensos pelo segundo cartão amarelo. Os substitutos, porém, ele só definirá a partir de quinta-feira, quando pretende fazer o principal coletivo da semana.Pela ordem natural das coisas, Fábio Luciano deve ocupar o lugar de Scheidt, Kléber o de André Luiz e Otacílio o de Marcos Senna. Quaisquer que forem as opções, uma certeza Luxemburgo já tem: o clássico contra o Santos não tem favorito. "Não é porque vencemos hoje que voltaremos a vencer no domingo, ou o contrário".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.