Divulgação
Divulgação

Finais do Paulistão devem acontecer em Osasco e Santos

Equipes já revelaram intenção de mandar jogos em seus estádios

O Estado de S. Paulo

25 de abril de 2016 | 07h00

A Federação Paulista de Futebol deve assinar embaixo nesta segunda-feira decisão dos presidentes de Santos e Audax sobre os locais das duas partidas da final do Paulistão. Os jogos já estão previamente marcados para os dois próximos domingos, dia 1º e 8 de maio, às 16h. Como tem melhor campanha, o Santos tem também o direito de fazer o segundo confronto em casa. 

Após a classificação diante do Palmeiras, o presidente santista Modesto Roma Júnior admitiu que prefere usar a Vila Belmiro na finalíssima. Como mandante, poderia jogar também no Pacaembu, mas o cartola, a pedido de sua comissão técnica e dos jogadores, não abre mão do estádio da Baixada. Mesmo que isso segnifica ganhar menos dinheiro com bilheteria. A Vila deverá abri para até 20 mil torcedores.

Da mesma forma, o Audax quer atuar em Osasco, como tem feito nas partidas deste Estadual. Foi em sua casa que o time sensação do Paulistão conseguiu superar o São Paulo na fase de grupos, terminando em primeiro lugar, e também na fase de quartas de final em partida única, com vitória sobre o rival do Morumbi por 4 a 1. O presidente Vampeta, em declaração na Rádio Jovem Pan, de São Paulo, disse que Santos e Audax já se acertaram para as finais, com uma partida em Osasco e outra na Vila. A FPF deve ratificar a escolha dos clubes.

Diferentemente dos confrontos anteriores da fase de mata-mata, a final do Paulistão prevê partidas de ida e volta. O Audax eliminou São Paulo e Corinthians em jogo único, assim como o Santos deixou para traz São Bento e Palmeiras. Vale lembrar ainda que os jogos da final não terão torcida única, como ocorreu na Vila Belmiro neste domingo. A regra para coibir a violância só é válida para clássicos. Os times terão uma semana para se preparar para o primeiro confronto. O Santos tem compromisso no meio de semana na Copa do Brasil, depois de empatar de 1 a 1 contra o xará do Amapa com formação reserva. Nem Dorival Jr viajou para o norte do País.

Dorival ensaia poupar alguns jogadores para essa partida, mas sabe que precisa bater o Santos-AP. Empate sem gol classifica o time da Vila. Acima de 1 a 1, dá o Santos visitante. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.