Final da Copa do Brasil pode fazer G-4 virar G-5 no Brasileiro

Veja como pode ficar a classificação do Campeonato Brasileiro

Leandro Nossa, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2015 | 17h33

Com a final da Copa do Brasil definida entre Palmeiras e Santos, quem busca uma vaga na Libertadores por meio do Campeonato Brasileiro deve ficar atento a uma nova possibilidade: O G-4 pode virar G-5. Se o campeão da Copa do Brasil estiver entre os quatro primeiros colocados do Brasileirão, o quinto colocado herda a vaga na competição sulamericana.

O Santos, inclusive, é o 4º colocado hoje. Já o alviverde ocupa a 8ª colocação, mas a apenas dois pontos do G-4. Se o Peixe for o campeão e consolidar a sua posição no Brasileiro, o São Paulo, eliminado pelo próprio Santos, poderia se beneficiar, já que atualmente ocupa a 5ª colocação.

Além do São Paulo, clubes como o Internacional e o Sport, que estão mais próximos da zona de classificação para a Libertadores, podem se beneficiar com a situação.

Se há chances de haver um G-5 no campeonato, qualquer possibilidade de acontecer um G-3 foi descartada. Tal situação só poderia prevalecer caso uma equipe brasileira fosse campeã da Copa Sulamericana, assegurando uma vaga na Libertadores e tirando uma do Campeonato Brasileiro. Com as eliminações de Chapecoense e Atlético-PR nesta quarta-feira, o G-3 está totalmente descartado.

Um possível G-5 também beneficiaria o sexto colocado do Brasileirão. Como o melhor colocado que não obteve vaga na Libertadores se classifica automaticamente para as oitavas da Copa do Brasil, habitualmente o 5º colocado, no caso de um G-5 a vaga iria para o 6º.

Das cinco vagas brasileiras na Libertadores, o campeão, o vice e o terceiro do Brasileirão, além do campeão da Copa do Brasil, vão direto à fase de grupos. O quarto colocado vai à Pré-Libertadores. Se o campeão da Copa do Brasil estiver no G-4, quem vai à fase preliminar é o quinto colocado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.