Carl Recine / AP
Carl Recine / AP

Final da Euro foi evento de 'super-espalhamento' da covid-19, diz agência britânica

Mais de 3 mil pessoas teriam se infectado no jogo entre Inglaterra e Itália em Londres; GP de Fórmula 1 e Wimbledon tiveram números menores com público maior

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2021 | 16h19

A final da Eurocopa entre Inglaterra e Itália, disputada no Estádio de Wembley no dia 11 de julho, teria sido um evento de 'super-espalhamento' de covid-19 em Londres, segundo a Agência Britânica de Saúde. De acordo com os dados divulgados recentemente, 2.295 pessoas presentes no local poderiam estar infectadas, e outras 3.404 potencialmente se infectaram durante a partida.

O jogo teve público total de 67 mil pessoas, cerca de 2/3 da capacidade do estádio em Londres. Na decisão, Inglaterra e Itália empataram em 1 a 1 no tempo normal e os italianos levaram a taça na disputa de pênaltis.

"A Eurocopa 2020 foi uma ocasião única e é improvável que vejamos um impacto semelhante nos casos de covid-19 em eventos futuros. No entanto, os dados mostram como o vírus pode se espalhar facilmente quando há contato próximo e isso deve ser um aviso para todos nós, enquanto tentamos retornar à normalidade cautelosa mais uma vez", disse Jenifer Smith, vice-diretora médica da Agência de Saúde Pública da Inglaterra, em comunicado oficial.

Eventos de outros esportes não espalharam tanto o vírus como o futebol. O GP da Grã-Bretanha de Fórmula 1, disputado em Silverstone no dia 18 de julho, teve 350 mil pessoas presentes ao longo dos três dias de treinos e da prova, e registrou 585 casos, sendo que 343 provavelmente já estavam infectados anteriormente - portanto, 242 espectadores teriam contraído covid-19 na ocasião.

No torneio de tênis de Wimbledon, cerca de 300 mil pessoas estiveram presentes ao longo de duas semanas de jogos, com 881 casos registrados. "Nós mostramos que podemos reintroduzir esportes de massa e eventos culturais com segurança, mas é importante que as pessoas permaneçam cautelosas ao se misturar em ambientes muito lotados", disse o ministro da Cultura do Reino Unido, Oliver Dowden.

"Para que possamos manter a temporada de futebol, teatros e shows seguros com multidões cheias neste inverno, exorto os fãs de esporte, música e cultura a tomarem a vacina, pois esta é a maneira mais segura de fazer grandes eventos dispararem em todos os cilindros mais uma vez", afirmou o ministro.

A atual temporada de futebol nos campeonatos do Reino Unido está ocorrendo com os estádios recebendo a lotação máxima possível.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.