Amanda Perobelli|Estadão
Torcedores da Ponte fazem vaquinha para incentivar jogadores em decisão contra o Corinthians Amanda Perobelli|Estadão

Final do Paulista tem 'vaquinha' na Ponte e 'mestre' Carille

Ponte-pretanos prometem ajudar na premiação dos jogadores em caso de conquista. No Corinthians, o técnico Fábio Carille, em alta, já tem até ‘estagiário’

Daniel Batista, Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2017 | 07h00

Em Campinas, cinco torcedores uniformizados esperavam para falar com o técnico Gilson Kleina no final do treino de segunda-feira da Ponte Preta. O porta-voz do grupo disse: “A gente é pobre, humilde, mas vai fazer uma vaquinha para ajudar na premiação do time. Nem que for mil reais a gente consegue arrecadar”. Na capital, a novidade no trabalho do Corinthians ficou por conta do ‘professor’ Fábio Carille – ele está recebendo o ex-jogador Alex Alves para um estágio no clube.

Na Ponte, Kleina agradeceu os torcedores e propôs um churrasco caso o time conquiste o título. O encontro, simples, sem holofotes e quase secreto, mostra como a torcida da Ponte está fechada com o time para a primeira conquista da história de 117 anos do clube. 

No Corinthians, Alex Alves, que como jogador defendeu Portuguesa, Botafogo, Cruzeiro, entre outros, acompanha de perto o trabalho de Carille, que há quatro meses era apenas auxiliar técnico do clube. “O Carille teve o privilégio de trabalhar muitos anos com o Tite e soube aproveitar isso. Ele tem um jeito muito calmo e honesto de conversar com os atletas”, diz o ex-jogador (mais informações nesta página). 

Expectativa. Em rápido contato com o Estado, os torcedores da Ponte não quiseram dar mais informações sobre a promessa. Disseram que era uma coisa entre o time e a torcida. Outras demonstrações de apoio foram dadas ao longo do dia. Centenas estão acampados em frente ao estádio Moisés Lucarelli, desde a tarde de ontem, aguardando o início da venda de ingressos para a final contra o Corinthians, domingo. Para os torcedores em geral, a venda começa só hoje pela manhã. Ou seja: foram quase 48 horas de espera. 

Eles levaram barracas de camping, embalagens de isopor para refrigerar as bebidas e até uma churrasqueira. Edson Santos chegou na tarde de segunda-feira e conseguiu ser o terceiro da fila. Chegar com tanta antecedência significa ter mais possibilidades de ficar nos melhores setores do estádio. “Existem apenas 4.600 ingressos para a geral. Por isso, quis chegar tão cedo. Chegou a nossa vez e não podia perder esse jogo.”

O passatempo de Edson é jogar baralho com o amigo Douglas da Silva Chaves em cima de um colchão dentro da barraca, montada em frente ao estádio. “Estamos fechados com a Ponte”, diz o torcedor. 

O cantor sertanejo Marcelo Perfeito só chegou na segunda pela manhã. Além da barraca, esperava o violão que seria trazido por amigos. Como chegou “tarde”, acabou com o 45.º lugar. Entusiasmado com a grande chance de conseguir um ingresso para a final história, Perfeito dá um detalhe de seu currículo: foi eleito rei Momo em Campinas, em 2013. E atesta a informação com uma foto no iPhone. 

Para os sócios-torcedores, a venda de ingressos começou ontem mesmo e foram vistas filas moderadas ao longo do dia. A expectativa é de que o estádio esteja lotado, com 18,5 mil torcedores. Os ingressos na arquibancada central custam R$ 40 (inteira). Nas cabeceiras e no setor destinado aos corintianos, o valor é de R$ 80 (inteira). 

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansPonte PretaFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Carille vira professor

Técnico recebe o ex-jogador Alex Alves nos treinamentos e passa dicas

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2017 | 07h00

Há pouco mais de quatro meses, Fábio Carille era apenas um auxiliar técnico que aprendeu muito com Tite e que estava em busca de oportunidade como treinador no Corinthians. Hoje, ele já virou ‘professor’ de quem espera seguir seus passos. Foi assim, por exemplo, com o ex-atacante Alex Alves.

Na semana passada, o ex-jogador de Portuguesa, Botafogo, Cruzeiro, entre outros, acompanhou de perto o trabalho de Carille para tirar dicas.  Alex Alves trabalhou recentemente na base da Portuguesa e como técnico do Nacional-SP (Série A3). Mesmo tendo uma pequena bagagem como treinador, ele conseguiu aproveitar e aprender bastante com a experiência no CT Joaquim Grava.

“O Carille teve o privilégio de trabalhar muitos anos com o Tite e soube aproveitar isso. Ele tem um jeito calmo e honesto de conversar com os atletas. Eu já fui jogador e sei que os atletas gostam de técnico assim, sincero e que trata do artilheiro ao quinto goleiro da mesma forma. Isso o faz largar na frente dos concorrentes de profissão”, comentou Alex Alves, em entrevista ao Estado.

Os dois jogaram juntos no Juventus, entre 2001 e 2002, quando iniciaram a amizade que perdura até hoje. Alex conta que desde a época em que Carille era apenas o zagueiro Fábio, ele já mostrava curiosidade com táticas e formações. “Ele sempre teve uma visão diferenciada para o futebol”, conta.

Carille agradece a confiança e diz que espera ter ajudado o amigo. “É bacana poder conversar e passar experiência sobre futebol com um amigo como ele. Espero que eu tenha ajudado de alguma forma, pois ele merece toda a sorte na carreira.”

Alex Alves nega que tenha interesse em fazer parte da comissão de Carille. “Sou técnico”, assegura. Ele tem comissão técnica, formada por um auxiliar e um preparador físico.

 

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ponte define premiação caso seja campeã

Diretoria vai dividir a metade da premiação da FPF entre jogadores e comissão técnica

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2017 | 07h00

O campeão estadual vai receber da Federação Paulista de Futebol (FPF) o valor de R$ 5 milhões, e a Ponte Preta já decidiu como vai aproveitar a premiação, caso seja ela a vencedora. Irá separar a metade (R$ 2,5 milhões) e dividir entre os atletas e comissão técnica e a outra parte será usada para quitar dívidas do clube e contratar reforços. 

O Corinthians ainda não revelou a premiação de seus jogadores em caso de conquista, mas a tendência é que eles fiquem com cifras próximas. A diretoria vê a conquista do Paulistão como uma possibilidade de conseguir equilibrar as finanças e ter dinheiro para trazer mais jogadores para a disputa do Brasileirão. Destaque da Ponte Preta, Clayson está em negociações para defender o time depois da final do Estadual. 

O vice-campeão vai receber R$ 1,65 milhão, enquanto o terceiro colocado (Palmeiras) ficou com R$ 1,1 milhão e o quarto classificado (São Paulo) embolsou R$ 880 mil. O Santos ficará com apenas R$ 485 mil por cair nas quartas de final.

Ituano e Santo André decidem o título de campeão do Interior e o ganhador leva R$ 360 mil, enquanto o vice fica com R$ 100 mil. No primeiro jogo, o Ituano venceu em casa por 1 a 0. A decisão será na sexta, no estádio Bruno José Daniel. 

Tudo o que sabemos sobre:
Ponte PretaFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.