Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Final entre Corinthians x Palmeiras é marcada pela decepção com futebol fraco dos dois lados

Empate sem gols foi considerado chato e monótono por especialistas e torcedores nas redes sociais

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2020 | 11h42

Corinthians e Palmeiras empataram sem gols na primeira partida da final do Campeonato Paulista 2020 nesta quarta-feira em Itaquera. Os dois times decepcinaram seus torcedores, que viram o duelo pela TV, uma vez que não há público nos estádios. Poucos gostaram do que viram pelo termômetro das redes sociais. Isso porque as equipes criaram muito pouco ao longo dos 90 minutos e deixaram a impressão desanimadora aos espectadores que esperavam um clássico recheado de gols ou chances de gols. Os goleiros não sujaram os uniformes.

O goleiro do Palmeiras trabalhou mais. O Corinthians teve duas boas chances de marcar. A equipe de Tiago Nunes mostrou-se mais uma vez segura na defesa. Quando se propôs a atacar, obrigou Weverton a fazer duas boas defesas. E foi só. Os torcedores não gostaram.

Foram cinco chutes. Quatro em direção ao gol alviverde. Dentre eles, dois perigosos: um de Ramiro e outro de Matheus Vital. Mas o domínio acabou por ali. O clima da partida esquentou e houve um princípio de tumulto, que fez com que os jogadores perdessem o foco dentro de campo. Só fez o duelo piorar.

O Palmeiras conseguiu mostrar que na bola aérea é perigoso, mas as criações não foram efetivas. Longe disso. Bem longe disso. Foram apenas duas finalizações. Nenhuma delas em direção ao gol. O que obrigou Luxemburgo a alterar a equipe e tentar tirar o marasmo do jogo. No lugar de Luiz Adriano entrou William "Bigode" e no lugar de Ramires entrou Bruno Henrique. Nos primeiros minutos da segunda etapa, o jogo ficou mais equilibrado, mas ainda faltava emoção. Ambos criavam pouco, mas a bola, que a princípio era do Corinthians, ficou mais tempo no pé dos jogadores alviverdes.

O Palmeiras conseguiu realizar seis finalizações, mas custava acertar o gol. Não acertou. Apenas uma foi em direção ao goleiro alvinegro. Os erros foram incomodando seus torcedores em casa.

Ambos os treinadores fizeram ajustes. No Corinthians Araos entrou no lugar de Luan, Víctor Cantillo assumiu o vaga de Éderson e Leo Natel substituiu Mateus Vital. Não melhorou muito. Do lado alviverde, Raphael Veiga foi para a posição de Gabriel Menino, Gustavo Scarpa, para a de Zé Rafael e Iván Angulo substituiu Rony. Mas não era dia de ver um bom futebol.

As mudanças de nada adiantaram. A partida ficou nisso: com poucas criações e nada de emoção, bem longe do que se espera de uma final de campeonato. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.