Finazzi quer fazer gol para readquirir a confiança para jogar

Atacante desafia críticos a apontar erros nos jogos e diz que só sai do Corinthians se os diretores quiserem

Redação

01 de abril de 2008 | 12h51

Depois de voltar a jogar pelo Corinthians no último domingo, na vitória por 3 a 1 sobre o Marília, o atacante Finazzi sonha em recuperar a confiança do técnico Mano Menezes para ser titular do time. Para isso, porém, ele conta que será fundamental cumprir sua meta como atleta, pela posição que joga: marcar gol. Só assim tudo estará em paz e ele, obviamente, ajudará o time."Espero voltar a jogar e fazer um gol, até porque preciso disso, para ter mais confiança no jogo. No domingo senti bastante a falta de ritmo de ritmo. Espero melhor para quando o Mano precisar de mim", diz o atacante, em entrevista à rádio Jovem Pan após o treino desta manhã de terça-feira no Parque São Jorge. O exemplo para a volta a da boa fase é a situação pela qual passaram os atacantes Adriano e Kléber Pereira, dos rivais São Paulo e Santos, respectivamente. "Quero dar a volta por cima e mostrar que sei fazer gols como eles". Recuperado da contusão, Finazzi conta o calvário que passou para poder voltar a jogar. E nega que tenha tido problemas com a comissão técnica. "No primeiro momento saí por opção do Mano, tudo bem. Por eu estar fora, fui enviado ao departamento médico para arrumar um problema na cartilagem do joelho, que de vez em quando doía um pouco. Foi aplicado medicamento, melhorou um pouco, não resolveu tudo", afirma."Depois, retornando à equipe, fiz um trabalho físico. Mas quando estava para voltar, aí sim tive uma lesão, na panturrilha, não teve jeito. Tive que ficar parado. Voltei e senti de novo, por causa disso tive de ficar uns 15 dias fora", completa. "Jogar com uma dorzinha nunca foi problema para mim, sempre joguei normalmente", garante. DESAFIOFinazzi, por outro lado, muda de fisionomia na tentativa de responder aos críticos pelos erros nos jogos. "Tem muita gente que gosta de exagerar quando erro um gol. Quando eu erro, assumo. Fui buscar aqui na minha lembrança e, tirando o jogo contra o Internacional - 1 a 1, ano passado - e o jogo contra o Guarani, quando fiz dois gols. Desafio os que gostam de pegar no meu pé de achar um jogo onde tenha perdido mais de dois gols".JANELINHASobre a história de que teria tido problemas com o grupo corintiano por exigir lugar no ônibus do time, Finazzi explica. "Passo mal quando ando em ônibus fechado [por causa do ar condicionado], nunca exigi lugar. Sempre fui ali na frente porque todos mandaram, técnico e diretores. A maioria das pessoas já sabem desse problema", conta. Na partida do último domingo, no Morumbi, o atacante segurou o problema. "No último jogo o treinador mandou eu ir lá atrás na ida, não passei mal, na volta também fui atrás e não me senti muito bem, mas tudo bem."SAÍDA DO TIMESobre o futuro, o atacante nega que vá ou queira sair do Corinthians, se depender dele. "Todo mundo que está aqui quer ficar até o final do contrato. Se tiver de sair, saio, fico chateado, mas entendo tranqüilamente. Acho que tenho condições de jogar em qualquer clube, mas minha intenção é ficar aqui." 

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansFinazziPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.