Daniel Augusto/ Agência Corinthians
Daniel Augusto/ Agência Corinthians

'Fininho', Vagner Love tem bom recomeço no Corinthians

Depois de fazer treinos complementares na Turquia, atacante volta em boa forma e se firma como titular

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2019 | 04h30

Quando chegou ao Corinthians em fevereiro de 2015, depois de um período na China, o atacante Vagner Love estava longe da forma física ideal. Insatisfeito com o rendimento do atleta nos meses seguintes, o então técnico Tite afastou o atacante por 15 dias. Quatro anos depois, Love aprendeu a lição. 

Nos três anos no futebol turco, ele decidiu trabalhar com seu próprio preparador físico para fazer treinos complementares. Hoje, em sua segunda passagem pelo clube, Love consegue fazer o papel de segundo atacante – em alguns momentos, ele joga até como meia – e se desloca por todo o campo de ataque. Isso aos 34 anos. 

No dia de sua apresentação, ele afirmou que a principal diferença entre o Love de 2015 e o atual estava na balança. “Mais ou menos uns cinco quilos a menos. Não sei se aguento os 90 minutos. Minha última partida foi em meados de dezembro. Nesse período em que saí do Corinthians, eu levei um preparador físico e estava com ele até antes de voltar para cá. Nesse período fiquei trabalhando muito e por isso consegui chegar dessa forma”, explicou.

Ele realmente não aguentou o tempo todo na estreia, diante do Ferroviário, pela Copa do Brasil. Mas foi bem. Tem mantido a regularidade nos jogos seguintes e se firmou como o companheiro de Gustavo no ataque do Corinthians. No jogo dramático diante do Avenida, aquele 4 a 2 que começou com um 2 a 0 contra, Love entrou no segundo tempo e foi importante para a virada em Itaquera. 

Um dos responsáveis pela boa fase do atacante é o preparador físico Erick Sloboda. Amigo pessoal, ele planejou treinos complementares para Love às atividades realizadas no Alanyaspor (2016 e 2018) e no Besiktas (2018 a janeiro de 2019). Ele morava na Turquia e também trabalhava com outros jogadores. A rotina de Love tinha até cinco treinos semanais com trabalhos específicos, paralelamente ao que fazia nos clubes. 

Na alimentação, cortou as frituras e parou de misturar carboidratos. No auge, ele chegou aos 76 quilos, com porcentual de gordura de 8% – na elite do futebol mundial, o porcentual de gordura gira em torno de 9% a 10%; no futebol brasileiro, o índice é de 11% a 12%. 

Love estava bem na Turquia, mas rescindiu com o Besiktas por causa dos salários atrasados. Em dezembro, foi afastado pelo clube e passou a treinar com o sub-20. Em janeiro, quando começaram as conversas com o Corinthians, colocou na cabeça que precisava voltar ao Brasil em forma. Passou todo o mês treinando em dois períodos. 

Love voltou bem fisicamente, mas seu primeiro gol demorou a sair. Com problemas de finalização, ele precisou de sete jogos para marcar e só desencantou diante do Racing, na partida na Argentina, pela Copa Sul-Americana. Foi com um belo voleio, no começo do segundo tempo, que ele recolocou o time no jogo após tomar sufoco no primeiro tempo – o Corinthians se classificou nos pênaltis com brilho de Cássio. 

Seu gol foi eleito pela Conmebol como o mais bonito da rodada. Em sua primeira passagem, ele havia disputado 50 partidas e marcado 16 gols e foi campeão brasileiro. Agora, Love recomeçou a contagem em forma. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.