Peter Powell / AP
Peter Powell / AP

Firmino marca no fim, Liverpool vence Tottenham e assume a liderança do Inglês

Salah abre o placar, Son empata e brasileiro decide com bela cabeçada aos 44 do segundo tempo

Felipe Rosa Mendes, Estadão Conteúdo

16 de dezembro de 2020 | 19h26

Em jogo de muitas oportunidades e de alto nível técnico, Liverpool e Tottenham fizeram nesta quarta-feira uma partida digna de times que brigam pela liderança do Campeonato Inglês. O atual campeão levou a melhor, por 2 a 1, graças ao gol de Roberto Firmino aos 44 minutos do segundo tempo. E assumiu a liderança da tabela.

O Liverpool chegou aos 28 pontos, contra 25 da equipe comandada por José Mourinho. O time de Jürgen Klopp aproveitou a segunda chance para alcançar a liderança, após empatar com o Fulham no fim de semana. Se tivesse vencido, já teria assumido no domingo o primeiro posto porque o Tottenham também empatara naquela rodada.

Com o triunfo desta quarta, diante de apenas 2 mil torcedores no Anfield, o Liverpool ainda derrubou a invencibilidade de 11 jogos do Tottenham no Inglês. O time de Londres foi derrotado logo na estreia, mas depois vinha embalado na competição.

"Não poderia estar mais feliz. Não só pelo gol, que acabou saindo no fim, mas por voltarmos à liderança, e com uma vitória sobre uma equipe muito forte, que certamente vai brigar pelo título. Além disso, a gente manteve os 100% de aproveitamento em casa", afirmou Firmino.

Com Matip ainda machucado, Klopp escalou a zaga do Liverpool nesta quarta com o brasileiro Fabinho e Rhys Williams. Na frente, o tradicional trio teve Roberto Firmino, Mané e Salah. Sem surpresas, portanto, o time da casa dominou a posse de bola e tomava a iniciativa enquanto o Tottenham adotava sua estratégia típica neste Inglês, de atuar mais recuado, à espera do momento certo para contra-atacar.

Os dois times seguiram seus papeis à risca no primeiro tempo. No ataque, o Liverpool criou a primeira boa chance do jogo aos 10, quando Firmino cabeceou firme para o chão e Lloris caiu no canto para fazer boa defesa.

O domínio dos anfitriões se traduziu em gol aos 25, num lance improvável. Curtis Jones fez bela trama pela esquerda, entrou na área e acionou Salah, que bateu quase prensado e viu a bola desviar na zaga do Tottenham, subir, tocar na trave e encobrir Lloris. Na sequência, o mesmo Jones quase ampliou, em chute rasteiro de dentro da área, aos 28.

Só o Liverpool buscava o ataque. Até que o Tottenham decidiu avançar pela primeira vez na partida, apostando no contra-ataque, como era esperado. E exibiu incrível eficiência. Aos 32, Heung-Min Son disparou pela esquerda, em posição duvidosa, entrou na área e bateu no canto, sem chances para Alisson. O VAR checou o lance e o árbitro confirmou o gol.

Com o placar empatado, o Tottenham mudou sua estratégia no segundo tempo. Avançou sua marcação e partiu para o ataque, criando boas chances em série. Na melhor delas, aos 17, a bola sobrou para Bergwijn bater cruzado pela esquerda. Ele acertou a trave e assustou a pequena torcida do Liverpool presente no Anfield.

A esta altura do jogo, o time de Londres era o melhor em campo: envolvia a defesa do Liverpool e criava as chances mais perigosas. Do outro lado, em ritmo mais lento, o Liverpool demorou para reequilibrar o duelo. Quando o fez, ameaçou em jogada de Mané, que carimbou o travessão aos 27.

O duelo seguiu parelho e totalmente aberto até os 44 minutos do segundo tempo. Foi quando Robertson cobrou escanteio na área, da esquerda, e Firmino cabeceou firme para as redes, decretando a vitória dos anfitriões.

O gol confirmou o domínio do Liverpool durante a maior parte do jogo, incluindo nas estatísticas. Para efeito de comparação, o time da casa registrou 17 finalizações, contra oito do Tottenham, que terminou a partida com apenas 24% de posse de bola - contra 76% da equipe da casa.

Ainda nesta quarta, Fulham e Brighton empataram sem gols na casa do primeiro, enquanto West Ham e Crystal Palace ficaram no 1 a 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.