Fisco cobra US$ 25 mi de Maradona

Driblar a Justiça não é e nunca foi uma das habilidades de Diego Armando Maradona. Hoje, a Comissão Tributária de Nápoles negou o recurso dos advogados do ex-jogador contra o Fisco italiano, que cobra de Maradona uma quantia de 51,6 milhões de liras, superior a 25 milhões de dólares em impostos sonegados. A dívida é referente ao período em que o ex-jogador atuou no Nápoli, entre 1985 e 1990. Os advogados de Maradona alegam que os impostos deveriam ser pagos pelo clube, já que o jogador recebia salários livres de impostos. A defesa atacou também a forma como foi entregue a notificação - quando Maradona desembarcava num aeroporto de Roma -, o que seria irregular e conseqüentemente anularia o processo. Para a Justiça, no entanto, não houve nenhum erro no procedimento de notificação do argentino. "Maradona foi um grande jogador, mas não é diferente dos outros cidadãos", afirmou um dos fiscais da comissão tributária. A resolução mantém vigente também a proibição ao ex-jogador de voltar à Itália. Os advogados de Maradona estão convocando os napolitanos a defenderem o que chamam de "patrimônio histórico da cidade" e prometem apelar da sentença. Casos semelhantes, como o dos brasileiros Careca e Alemão (em 1994), foram decididos em segunda instância, em favor dos atletas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.