Fla comemora, preocupado com futuro

Festa pela permanência na divisão de elite do futebol brasileiro e preocupação com a manutenção da base da equipe para 2005. Esse contraponto marcou o ambiente no vestiário do Flamengo, logo após a goleada por 6 a 2 sobre o Cruzeiro, no Estádio da Cidadania. O goleiro Julio Cesar e o meia Felipe, principais atletas do time na competição, praticamente se despediram do Rubro-Negro."Apesar de tudo, fui muito feliz nesses 13 anos de Flamengo", disse, emocionado, Julio Cesar. "Tudo que fiz sempre foi o meu máximo e no momento certo comunicarei a todos para onde vou." Julio Cesar ressaltou a garra e o desempenho do Flamengo na vitória sobre o Cruzeiro. Agradeceu ainda o apoio dos torcedores e em especial ao meia Felipe, por, em momento nenhum, ter desanimado mesmo ante as críticas de dirigentes do Rubro-Negro."A moçada mostrou que é homem. E o Flamengo tem de ficar na elite porque Flamengo é Flamengo", continuou o goleiro, que vai leiloar o uniforme utilizado neste domingo e ceder o dinheiro para alguma ação beneficente. Ele criticou, sem revelar nomes, a postura de alguns dirigentes do clube. "Lá dentro tem pessoas que querem nos atrapalhar. Mas tem outras honestas, que fizeram um belo trabalho." Felipe também não escondeu a alegria pelo gol marcado e o fim do sofrimento pela ameaça de rebaixamento. Ele foi sintético ao falar sobre seu futuro no futebol. "Fui muito feliz aqui, apesar de tudo." O mais aliviado entre todos era o técnico Andrade. Não escondeu o desejo de prosseguir no comando da equipe e enfatizou a necessidade de a base de 2004 ser mantida. "Um time que briga para não cair tem que mudar alguma coisa. Mas é importante que a base fique. Deus nos dá a carga que agüentamos carregar. E sabia que conseguiria superar tudo isso." Desabafo - O zagueiro André Bahia, autor de dois gols, também estava emocionado. Ele foi pivô nos últimos dias de uma polêmica com o Flamengo: posou com a camisa do clube holandês, Feyenoord, por onde vai atuar em 2005 e acabou sendo processado pelo Rubro-Negro. "O que fiz foi uma lição de profissionalismo. Mesmo com a negociação com a Holanda concretizada não tirei o pé em momento nenhum e joguei com seriedade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.