Leo Correa/AP
Leo Correa/AP

Fla confirma cirurgia e Diego Alves fora por pelo menos dois meses

Goleiro sofreu uma fratura na clavícula no jogo pela semifinal da Copa Sul-Americana

Estadão Conteúdo

24 Novembro 2017 | 18h30

O chefe do departamento médico do Flamengo, Márcio Tannure, confirmou nesta sexta-feira o afastamento do goleiro Diego Alves por dois meses por causa de uma fratura na clavícula sofrida no primeiro tempo da vitória por 2 a 1 sobre o Junior Barranquilla, na última quinta-feira à noite, no Maracanã, no duelo de ida da semifinal da Copa Sul-Americana. O médico também confirmou que o atleta terá de ser submetido a uma cirurgia, que foi marcada para este sábado.

+ Vizeu celebra golaço e Juan festeja ao igualar marca de Júnior Baiano

"Diego Alves sofreu um trauma, realizou os exames que confirmaram nossa suspeita de fratura no ombro direito. O tratamento é cirúrgico. Ele será operado amanhã no hospital Samaritano, aqui na Barra (da Tijuca). O tempo de retorno esperado é de cerca de oito semanas para essa cirurgia. Temos a expectativa de que no ano que vem esteja apto para retomar as atividades", explicou o médico em entrevista coletiva nesta sexta-feira, no Rio de Janeiro.

De acordo com a previsão do chefe de Tannure, Diego Alves poderá retomar as primeiras atividades físicas na academia em cerca de duas semanas.

"Inicialmente, (Diego) fica com o braço imobilizado, mas acreditamos que, tudo correndo bem, num prazo de 15 dias a gente já possa voltar a trabalhar com ele numa bicicleta, mas sem utilizar o ombro", complementou o médico.

Diego se machucou ao sair do gol para impedir o avanço do colombiano Yony González aos 19 minutos do primeiro tempo. Ele tentou permanecer em campo, mas não suportou as dores e foi substituído por Alex Muralha. O goleiro deixou o estádio do Maracanã e seguiu para um hospital, onde realizou os exames que confirmaram a fratura.

Mais conteúdo sobre:
Flamengo Copa Sul-americana Diego Alves

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.