Fla diz não ter pressa na negociação com Maracanã

Clube espera resposta para contraproposta apresentada para mandar jogos no estádio

LEONARDO MAIA E JAMIL CHADE, Agência Estado

17 de junho de 2013 | 16h00

RIO - O Flamengo espera receber ainda nesta segunda-feira o retorno do Consórcio Maracanã sobre a contraproposta apresentada pelo clube para mandar seus jogos no Maracanã. De acordo com o vice-presidente marketing Luiz Eduardo Baptista, a primeira oferta recebida pelo Flamengo foi "nota 3", numa escala até 10. Os dirigentes flamenguistas prometem jogar duro para conseguir um contrato justo.

"Não é questão de ser arrogante ou prepotente, mas estamos falando de um acordo de talvez 35 anos. É um casamento. O Flamengo não vai assinar nada lesivo ao clube, ainda mais por esse tempo", disse Baptista. "O que é fácil entender é que o Maracanã não será um bom negócio sem o Flamengo jogando lá toda semana."

O consórcio que ganhou recentemente a concessão promovida pelo governo estadual ofereceu ao Flamengo e ao Fluminense um acordo tido como vantajoso apenas para as empresas que vão administrar o estádio. Os clubes de futebol ficariam apenas com a renda da venda de cerca de 50 mil assentos comuns. Os camarotes, as áreas VIPs e outras receitas ficariam todas com o consórcio.

"Fizemos uma contraproposta e vamos ter um retorno hoje (segunda-feira)", disse o vice-presidente de marketing do clube, que não quis estabelecer um prazo para chegar a um ponto comum. E minimizou a importância de fechar uma parceria antes do fim da Copa das Confederações e antes da retomada do Campeonato Brasileiro.

"Gostaria de assinar hoje, mas posso esperar mais cinco anos. Não tenho pressa nenhuma", disse Baptista, que destacou que o Flamengo recebeu ofertas para jogar em vários dos novos estádios construídos para a Copa do Mundo de 2014. "Quero ter um estádio para chamar de meu, uma casa definitiva, mas tenho certeza que onde o Flamengo jogar ele vai ser bem recebido e terá grande apoio."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFlamengoMaracanã

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.