Fla espera manter craques e Zagallo

O tricampeonato sobre o Vasco deve fazer com que a diretoria rubro-negra faça esforços para manter a equipe e o técnico Zagalo, como deixou claro o presidente Edmundo dos Santos Silva."A permanência de Zagallo depende dele. Ele é o nosso treinador", garantiu. Em relação ao elenco, cuja folha salarial é de R$ 2,5 milhões, os dirigentes terão de buscar recursos para manter os principais jogadores como Edílson, Petkovic e Gamarra. O vice-presidente de futebol, Walter Oaquim, acredita que o resultado de hoje vai ajudá-los nessa tarefa. "Com essa vitória vai ter um monte de gente querendo patrocinar o Flamengo", disse. Com a conquista, o Flamengo disputará a Copa dos Campeões, uma nova fonte de renda para o clube. Autor de dois gols hoje e artilheiro do Campeonato Carioca, Edilson fez questão de manifestar o seu desejo de permanecer no clube. "Além de jogador, eu sou torcedor do Flamengo. Se deixarem, eu morro no Flamengo", declarou. O Flamengo ainda deve parte do passe de Edílson ao Corinthians e a garantia são os passes de Juan e Reinaldo. Gamarra tem propostas de clubes italianos. Responsável pelo gol do título rubro-negro, Petkovic entrou de férias e a tendência é que continue no Flamengo. O jogador brincou: "O presidente me prometeu 15 dias de férias se eu fizesse dois gols. Fiz um e dei outro ao Edílson. Acho que cumpri a minha parte." Ele ficará 15 dias na Sérvia, sua terra natal. Zagallo, que tem contrato com o time até 23 de julho, está sendo pressionado por sua mulher, dona Alcina, para encerrar a carreira. Mas o título deve prolongar a sua trajetória no futebol. Hoje, no vestiário, ele estava muito emocionado com a vitória e ressaltou a capacidade do elenco se unir antes da final. "Nós sempre acreditamos, apesar da ducha de água fria que foi o gol de empate do Vasco", disse. "Perdemos o jogo a dois minutos, mas soubemos ganhar faltando um minuto", referindo-se ao gol de Petkovic. O meia Beto, que brigou com alguns jogadores vascaínos ao final da partida, provocou os adversários. "Eles têm de disputar um campeonato em que o Flamengo não jogue para ganhar", disse. Beto foi provocar a torcida vascaína , o que causou a reação dos jogadores adversários e uma briga quase se generalizou, mas foi evitada pela comemoração. A união do grupo foi ressaltada por todos, que lembraram as seguidas reuniões antes da partida. Até Edilson e Petkovic, cujo relacionamento era tido como um problema, demonstraram ter esquecido a questão. Edílson até chegou a incentivar o iugoslavo durante a partida, como contou depois. "Conversei com ele para dizer que era um jogador que desequilibrava e, quando eu vi aquela bola entrando, foi demais." O vestiário do Vasco ficou fechado, como costuma acontecer após as derrotas. Agora, o time vascaíno tentará superar o abatimento para a partida contra o Boca Juniors, durante a semana, pela Taça Libertadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.