Fla junta cacos e Silva tenta voltar

Após a inédita decisão do impeachment do presidente Edmundo dos Santos Silva, o Flamengo, com grave déficit financeiro ? orçado em R$ 157 milhões ?, vai passar por período de estagnação, segundo o presidente interino Gilberto Cardoso Filho. O dirigente afirmou que tentará administrar o clube da ?melhor maneira possível?, até a eleição do novo presidente, prevista para, no máximo, 60 dias. Já Silva entrou na Justiça Comum para retornar ao cargo. ?Quero recuperar a minha dignidade e, por isso, vou para a Justiça?, disse Silva. ?Assim que tiver o direito de reassumir, convoco novas eleições. Hoje sou um ex-homem do futebol.? Silva condenou a atitude de seus opositores e afirmou que cerca de R$ 300 mil foram gastos para garantir a presença dos conselheiros do clube na sessão que cassou seu mandato, segunda-feira. Citou o pagamento de vans e ônibus para o transporte dos eleitores. O presidente afastado refutou todas as acusações feitas contra ele e confessou que seu maior erro foi o de não ter formado uma base política. Atacou os adversários e considerou que por ser um ?homem de bem? foi prejudicado. ?Nunca fui candidato a deputado ou ao cargo de secretário de Esporte. É para isso que eles usam o Flamengo?, disse Silva. ?Como não cedi a eles (oposição), fui cassado.? O valor de R$ 200 milhões em dívidas do Flamengo foi contestado por Silva. O dirigente afirmou ter uma prestação de contas pronta, auditada por uma empresa, onde consta o valor de R$ 157 milhões. Lembrou que ao assumir, herdou uma dívida de US$ 87 milhões. Como novo presidente do Flamengo, Gilberto Filho disse não ter um plano político para sua gestão. O dirigente ratificou os números apresentados por Silva e explicou que seu dever será o de administrar os problemas. Gilberto Filho confirmou a união da oposição e a delegação de tarefas para dois ex-presidentes do clube: Márcio Braga e Kléber Leite. O presidente interino argumentou que mudanças no estatuto do Rubro-Negro estão em estudos para o processo de modernização ser realizado. ?Estamos conversando e acredito que logo chegaremos a um consenso. Queremos o melhor para o Flamengo e só conseguiremos isso unidos?, considerou Gilberto Filho. ?Não sei se vamos ter todas as mudanças até as próximas eleições, mas alguma coisa vai mudar.? Como um dos principais defensores da saída de Silva do clube, Kléber Leite se mostrou confiante nas mudanças. A gerência do clube por um Conselho de Administração (formado por 11 ou 13 membros) e por executivos de mercado, nos postos atualmente ocupados por vice-presidentes amadores, é sua meta. O craque Zico, um dos nomes preferidos pelo quadro social do Flamengo para comandar o clube, explicou hoje que a ida para o cargo de técnico da seleção do Japão inviabilizou qualquer tipo de movimento. ?Pelo que o Flamengo conquistou em seu mandato, Edmundo deveria estar sendo aclamado nas ruas. Se tivesse renunciado, como defendi, não estaria passando por esta situação humilhante?, lembrou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.