Flamengo anuncia acordo verbal para jogar mais no DF

O sucesso de público da partida contra o Coritiba, no último sábado, e o continuado impasse na relação com o Consórcio Maracanã levaram o Flamengo a estender a parceria com o governo do Distrito Federal para mandar mais jogos no estádio Mané Garrincha, em Brasília, para o qual o clube carioca levou quase 60 mil torcedores contra os paranaenses.

LEONARDO MAIA, Agência Estado

09 de julho de 2013 | 19h16

Na capital federal, o presidente rubro-negro, Eduardo Bandeira de Mello, anunciou um acerto verbal com o governador Agnelo Queiroz para fazer seis jogos na praça recém-reformada para a Copa do Mundo de 2014. "Pelo menos seis jogos queremos trazer. Essa programação é flexível e pode ser maior. O Flamengo está feliz, à vontade e acolhido pela torcida em Brasília", disse De Mello.

Na partida contra o Coritiba, o Flamengo produziu uma renda de quase R$ 3 milhões; ficou com R$ 1,3 milhão depois dos pagamentos do aluguel e outras taxas. O que deixa os dirigentes da Gávea confiantes de que podem fazer jogo duro com o consórcio que administra o Maracanã pelo tempo que for necessário.

Como o edital de licitação obriga as empresas a assinarem um contrato de longa duração com dois clubes grandes do Rio de Janeiro (o Vasco tem São Januário e o Botafogo conta com o Engenhão para 2015), os flamenguistas têm esse ponto a favor.

O consórcio, por sua vez, se mantém irredutível na oferta de um contrato desfavorável ao clube rubro-negro e ao Fluminense na expectativa de que o desgaste das viagens constantes e uma possível má campanha fora do Rio de Janeiro leve os clubes a ceder em alguns pontos.

A principal questão está na divisão das rendas das partidas e não apenas com os ingressos. No acordo de tricolores e rubro-negros com o Botafogo pelo Engenhão, os mandantes tinham participação em toda a carga de ingressos, nos estacionamentos, nos itens de alimentação e na publicidade estática e do telão. O Consórcio Maracanã não quer dividir mais do que a receita de 43 mil assentos, dos mais baratos, atrás dos gols.

"Não podemos anunciar ainda um acordo, as duas partes estão em busca de um contrato que seja bom para ambos. Não dá para marcar quando o Flamengo volta ao Maracanã, mas esperamos resolver isso rapidamente", disse Eduardo Bandeira De Mello.

Uma comissão de dirigentes, auxiliada por técnicos da Fundação Getúlio Vargas, está há meses em uma troca de propostas com as empresas que controlarão o Maracanã pelos próximos 35 anos. A meta rubro-negra é assinar um contrato que permita ao clube começar a gerar, em um prazo máximo de três anos, algo em torno de R$ 70 milhões anuais com o uso do reformado estádio carioca.

Se não há prazo para a volta do time ao Rio de Janeiro, para atuar diante de sua torcida habitual, o Flamengo mudou a sua programação e remarcou o jogo da volta contra o ASA, pela Copa do Brasil, para Volta Redonda (RJ), no próximo dia 17. A primeira partida da terceira fase será nesta quarta, às 21h50, em Arapiraca (AL).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFlamengoBrasília

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.