Kai Pfaffenbach/Reuters
Kai Pfaffenbach/Reuters

Flamengo vira sobre o Al Hilal e espera o Liverpool na final do Mundial de Clubes

Equipe saudita sai na frente, mas time brasileiro repete feito da decisão da Libertadores, marca três gols e agora aguarda rival inglês, que nesta quarta enfrenta o Monterrey

Leandro Silveira, O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2019 | 16h25

O Flamengo está na final do Mundial de Clubes. Ainda que sem o brilho que caracterizou os seus melhores momentos nas conquistas da Copa Libertadores e Campeonato Brasileiro, derrotou o Al Hilal por 3 a 1, de virada, com seus gols sendo marcados na etapa final. O rival do Flamengo na final de sábado será conhecido nesta quarta-feira, a partir das 14h30 (horário de Brasília), no duelo entre Liverpool e Monterrey. E a expectativa, claro, é para um novo confronto com o time inglês, como ocorreu em 1981, na decisão do Mundial Interclubes, com vitória do time carioca por 3 a 0. Zico ergueu a taça naquela ocasião.

Numa partida em que foi dominado no primeiro tempo, quando sofreu gol, o destaque do Flamengo mais uma vez ficou por conta da boa atuação de Bruno Henrique. Ele fez o segundo gol do Flamengo, o da virada, e teve participação direta nos outros dois da equipe brasileira. O Flamengo teve baixa produção ofensiva, mas foi eficiente o bastante para conseguir aproveitar as oportunidades. 

O início da partida em Doha foi bom para o Al Hilal. O time saudita trocava passes e impunha velocidade, com o Flamengo enfrentando dificuldades na marcação, que parecia sempre atrasada, como se apenas corresse atrás do adversário. Teve até o primeiro lance de perigo da disputa, em  jogada de bola parada após cobrança de escanteio. Gerson finalizou para fora.

Mas a resposta do Al Hilal foi imediata. Primeiro com uma chance clara perdida por Gomis, na sequência de rebote dado por Diego Alves após jogada individual de Al-Dawsari. E depois com o primeiro gol da partida. Aos 17, Giovinco acionou Al-Buryak na direita. Ele cruzou para Al-Dawsari marcar. A bola ainda desviou em Marí. O gol mudou o cenário da partida. O time asiático recuou, mas parecia confortável diante de um Flamengo nervoso, como se viu no lance do cartão amarelo de Bruno Henrique, em que ele pisou no marcador. A equipe carioca foi ao ataque, mas em ritmo lento. Errava passes, facilitando a marcação. O Al Hilal mal teve sua meta ameaçada.

Disperso no primeiro tempo, o Flamengo enfim mostrou o seu melhor aos três minutos, em triangulação envolvendo os seus principais atacantes. Gabriel, Bruno Henrique e Arrascaeta, que só empurrou a bola para o gol. Foi a amostra de um Flamengo mais intenso, algo marcante nos melhores momentos do time no ano. Embora até tenha conseguido exibir seu apetite em alguns momentos da etapa final, encontrando mais espaços do que no primeiro tempo, faltava brilho e velocidade.

O jogo, então, ficou travado, com o Al Hilal se arriscando no ataque. O Flamengo acionou Diego no lugar de Gerson, assim como fez na decisão da Libertadores. Isso ajudou o time a ser mais vertical. De modo a conseguir a virada aos 32 minutos. Aproveitando os espaços dados pela defesa adversária, Rafinha cruzou para Bruno Henrique cabecear: 2 a 1.

Com espaços, o Fla voltou a marcar aos 35. Dessa vez, Diego recebeu na entrada da área e tocou para Bruno Henrique na esquerda. Ele invadiu a área e fez o cruzamento, com Al-Bulayhi mandando contra as próprias redes. No fim, o peruano Carrillo ainda foi expulso por entrada dura em Arrascaeta.

Quando o Flamengo joga a final do Mundial?

A decisão será realizada neste sábado, às 14h30 (horário de Brasília). O time carioca vai enfrentar o vencedor de Monterrey x Liverpool, que se enfrentam nesta quarta-feira.

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO 3 X 1 AL HILAL

FLAMENGO - Diego Alves; Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Mari e Filipe Luís; Willian Arão, Gérson (Diego), Arrascaeta (Piris da Motta) e Everton Ribeiro; Bruno Henrique (Vitinho) e Gabriel. Técnico: Jorge Jesus.

AL HILAL - Abdullah Al Muaiouf; Mohamed Al Burayk, Hyunsoo Jang, Ali Albulayhi e Yasser Al Shahrani; Gustavo Cuéllar, Carlos Eduardo, Salem Aldawsari, André Carrillo e Sebastian Giovinco (Omar Kharbin); Bafetimbi Gomis. Técnico: Razvan Lucescu.

GOLS - Salem Aldawsari, aos 17 minutos do primeiro tempo. Arrascaeta, aos três, Bruno Henrique, aos 32, e Ali Albulayhi (contra), aos 35 minutos do tempo.

ÁRBITRO - Ismail Elfath (Estados Unidos).

CARTÕES AMARELOS - Bruno Henrique, Giovinco, Pablo Marí, Ali Albulayhi, Salem Aldawsari e Diego.

CARTÃO VERMELHO - André Carillo.

RENDA - Não disponível.

PÚBLICO - 21.588 torcedores.

LOCAL - Estádio Internacional Khalifa, em Doha (Catar).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.