Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Flamengo bate Caracas e fica na torcida por tropeço de rivais

Time carioca terá que secar Cerro e Racing e torcem para que Internacional e Deportivo Quito não empatem

BRUNO LOUSADA, Agência Estado

22 de abril de 2010 | 00h17

O Flamengo se complicou de vez na Copa Libertadores, apesar da vitória sobre o Caracas por 3 a 2, na noite desta quarta-feira, no Maracanã. A equipe brasileira precisará de uma combinação de resultados para avançar às oitavas de final.

Veja também:

tabela LIBERTADORES: Classificação

linkAndrade descarta deixar o comando do Flamengo

Os torcedores terão que secar Cerro e Racing, ambos do Uruguai, e torcer para que Internacional e Deportivo Quito não empatem na quinta-feira. Uma situação crítica e que pode culminar na demissão do técnico Andrade. Revoltada, a torcida chamou o time de "sem vergonha" ao final do jogo desta quarta.

Com o primeiro semestre em jogo, o Flamengo entrou em campo pressionado e tudo o que o time temia era sofrer um gol no início e ter de ir, na base do desespero, para o tudo ou nada. E, mesmo diante de uma equipe já eliminada, fraca tecnicamente e que poupou alguns titulares, o Flamengo acabou saindo atrás no placar. Coube ao atacante Castellin silenciar o Maracanã. Novo vexame? Até o torcedor mais otimista pensou no pior. Mas a reação veio rápida.

O zagueiro Ronaldo Angelim, de cabeça, empatou a partida. Um minuto depois, o meia Michael fez 2 a 1. Porém, o Flamengo não imprimia ritmo forte, mesmo precisando de uma vitória por pelo menos dois gols de diferença, para ganhar saldo de gols e ficar em vantagem em relação aos rivais dos outros grupos.

"Temos que pressionar. Precisamos do resultado", alertou o atacante Vágner Love, no intervalo. A bola voltou a rolar e o Caracas assustou num rápido ataque. Sem organização tática e com os nervos à flor da pele, o Flamengo ameaçava pouco o goleiro adversário. E a situação ficou pior: o meia Gomez fez um golaço. Partiu do meio-campo, driblou três e chutou no ângulo esquerdo.

De tanto a torcida pedir, o apoiador Petkovic entrou. E, no primeiro toque, pôs a bola na cabeça do Adriano, que, fora de forma, cabeceou mal. No abafa, o Flamengo marcou o terceiro, com o zagueiro David. Faltavam 15 minutos mais os acréscimos. O final foi dramático. Léo Moura, Petkovic e Adriano desperdiçaram chances incríveis e acabaram deixando o Flamengo em situação crítica na Libertadores.

Flamengo 3 x 2 Caracas

Flamengo - Bruno; Leonardo Moura, David, Ronaldo Angelim e Juan; Maldonado (Kléberson), Willians, Vinícius Pacheco (Petkovic) e Michael (Fierro); Vágner Love e Adriano. Técnico: Andrade.

Caracas - Toyo; Romero, Bustamente, Alejandro Cichero e Bautista; Lucena, Jimenez, Figueroa e González (Gomez); Castellin (Aristeguieta) e Valoyes (Gonzalez). Técnico: Ceferino Bencomo.

Gols - Castellin, aos 14, Ronaldo Angelim, aos 17, Michael, aos 18 minutos do primeiro tempo. Gomes, aos 22, e David, aos 30 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos - Willians, Michael (Flamengo); Alejandro e Romero (Caracas).

Árbitro - Jorge Larrionda (URU).

Renda e público - Não disponíveis.

Local - Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.