Flamengo bate Coritiba e respira

Mais na base da superação do que na técnica, o Flamengo derrotou o Coritiba, de virada, por 2 a 1, nesta segunda-feira, no estádio Luso-Brasileiro. Mesmo com a vitória suada, o clube carioca segue na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, mas dá sinais de reação num momento tão adverso. O time rubro-negro se igualou ao visitante em número de pontos (38), mas perde em vitórias (10 a 9). O Coritiba, que estreou o técnico Márcio Araújo, acumulou a oitava derrota seguida na competição, ocupa a 18.ª colocação, algo preocupante em uma reta final de competição. ?Foi a vitória da superação. No Flamengo, tudo é sofrido?, declarou o treinador Joel Santana, a caminho do vestiário após o jogo. Flamengo e Coritiba maltrataram a bola. Não é à toa que lutam para não serem rebaixados. Houve lances pitorescos, daqueles que levam o torcedor à loucura. Mas, se faltou talento, sobrou disposição durante os 90 minutos. Os jogadores das duas equipes se entregaram de corpo e alma. Não havia bola perdida, nem tempo a perder. A partida foi disputada sob forte tensão. O Coritiba fez seu gol na melhor jogada individual da primeira etapa. O meia Caio, ex-Flamengo, aplicou dribles desconcertantes no zagueiro Rodrigo e cruzou sob medida para Ricardinho marcar: 1 a 0, aos 41 minutos. Quase em seguida, o meia Capixaba desperdiçou, livre de marcação, ótima oportunidade de ampliar o placar. O Flamengo deve agradecer ao árbitro Wilson de Souza Mendonça pelo gol de empate, já nos acréscimos do primeiro tempo. O juiz assinalou erradamente pênalti do zagueiro Alexandre sobre o meia Renato, que se atirou dentro da área adversária. O próprio Renato cobrou com perfeição: 1 a 1. O segundo tempo pode ser resumido da seguinte forma: o Flamengo, mesmo desorganizado em campo, buscou o ataque o tempo todo e foi premiado pela insistência. O lateral-direito Leonardo Moura cobrou falta na barreira, a bola sobrou para Fellype Gabriel, que chutou fraco, mas contou com o desvio do zagueiro Reginaldo Nascimento para comemorar a virada rubro-negra, aos 38 minutos. A partir daí, os gandulas sumiram e o Flamengo soube administrar o resultado.

Agencia Estado,

31 de outubro de 2005 | 22h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.