Flamengo bate o Santos com recorde de público no Brasileiro

Cerca de 80 mil torcedores acompanham a vitória que leva o time carioca à terceira posição no campeonato

Bruno Lousada, do Estadão,

11 de novembro de 2007 | 20h21

Diante de um Maracanã lotado, com quebra de recorde de público do Campeonato Brasileiro (81.844 pagantes), o Santos fracassou: perdeu para o Flamengo, por 1 a 0, na noite deste domingo, pela 36.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Apesar da derrota, o time da Vila Belmiro permanece na segunda posição, com 59 pontos, um a mais que o rival. Já o time rubro-negro subiu para o terceiro lugar, ultrapassando o Cruzeiro, e ficou mais próximo de garantir vaga na Taça Libertadores da América.  Veja também  Classificação  Calendário/Resultados  Jogadores do Santos consideram derrota injusta no Maracanã Santos e Flamengo já decidiram no Maracanã o título do Brasileiro de 1983, vencido pelo time de Zico e companhia. Ontem, as duas equipes disputaram no mesmo palco uma partida com jeito de decisão, mas, desta vez, não valia taça. O que estava em jogo era a vaga para a Libertadores. Não havia como faltar motivação. Esse é o tipo de confronto que qualquer jogador sonha participar: estádio lotado, muita rivalidade em campo e a já referida briga para participar da badalada competição continental em 2008. "Vejo esse jogo como a chance dos grandes profissionais construírem grandes feitos", declarou o técnico Vanderlei Luxemburgo, antes de a bola rolar. Ele ficou impressionado com a festa da torcida rubro-negra.  Flamengo1Bruno; Léo Moura, Ronaldo Angelim, Fábio Luciano e Juan; Jaílton (Obina), Cristian, Toró     (Roger) e Ibson; Renato Augusto e Souza (Léo Mineiro)Técnico: Joel SantanaSantos0Fábio Costa; Marcelo, Maldonado     e Domingos; Alessandro (Petkovic), Adriano (Renatinho), Rodrigo Souto, Kléber e Pedrinho     (Vítor Jr); Rodrigo Tabata     e Kléber PereiraTécnico: Vanderlei LuxemburgoGols: Souza, aos 30 minutos do segundo tempoÁrbitro: Evandro Rogério Roman (PR)Renda: R$ 1.085.690, 00Público: 87.716 totalEstádio: Maracanã, Rio de Janeiro"Não é todo dia que se entra em campo com 90 mil pessoas no estádio." O Santos cumpriu à risca o que propôs ao começar a partida com três volantes: marcou forte e explorou o contra-ataque. No entanto, faltou mais ousadia com a bola nos pés. O próprio técnico Vanderlei Luxemburgo se irritou à beira do campo com o fraco poder de fogo do time. Com Pedrinho apagado, coube ao volante Rodrigo Souto levar perigo ao gol do Flamengo na etapa inicial. Ele teve três chances para marcar, mas pecou na conclusão. Se o ataque não funcionou, a defesa se comportou bem. O goleiro Fábio Costa, por exemplo, passou boa parte dos 45 minutos iniciais sem ser exigido. Só sujou o uniforme num chute à queima-roupa do meia Renato Augusto.  O Santos pagou caro pela baixa produtividade dos seus homens de criação. Enfrentou um time que tinha dificuldades de se encontrar em campo e que achou um gol numa cabeçada do atacante Souza. Em vários momentos do segundo tempo, Luxemburgo perdeu a paciência com seus comandados. Gesticulou bastante e, certamente, saiu do estádio frustrado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Raí valoriza montagem do elenco do São Paulo para o Brasileirão
  • Em crise, Figueirense se movimenta para evitar novo W.O.
  • Corinthians, Palmeiras e São Paulo tem as melhores defesas do Campeonato Brasileiro
  • Podcast: personalidades do esporte analisam a situação do futebol no Brasil
  • Bruno Henrique vibra com gols no Maracanã: 'Semana mais feliz da minha vida'

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.