Flamengo busca empate na altitude de Cuzco pela Libertadores

Pela penúltima rodada do Grupo 4, time rubro-negro joga nesta quarta-feira diante do Cienciano a 3.400 metros

Leonardo Maia, O Estado de S. Paulo

08 de abril de 2008 | 19h03

O Flamengo vai a Cuzco nesta quarta-feira, para enfrentar o Cienciano, a partir das 21h50 (horário de Brasília), em busca de um empate. A vitória na altitude da cidade peruana, que fica a 3.400 metros acima do nível do mar, já garantiria a classificação flamenguista para as oitavas-de-final da Libertadores, mas, se voltar com um ponto, o time carioca precisaria apenas ganhar do Coronel Bolognesi (também do Peru), na última rodada, no Maracanã, para avançar. Veja também:  Classificação Resultados e calendário Fluminense busca vitória na Argentina contra o Arsenal "É uma decisão, não tem outro pensamento. Vamos jogar nossa vida na Libertadores", avisou o goleiro Bruno, dando o tom da importância da partida desta quarta-feira para o time do Flamengo, que está em terceiro lugar do Grupo 4 da Libertadores, com os mesmos sete pontos do Cienciano - a liderança é do Nacional (Uruguai), que tem nove. E, para evitar decepções, o técnico Joel Santana vai reforçar a marcação flamenguista, adotando uma formação mais defensiva em Cuzco, onde ele teme também os efeitos da altitude sobre os jogadores do Flamengo. Assim, o meia Kléberson e o meia-atacante Marcinho vão para a reserva, para a entrada dos volantes Toró e Jaílton. O time titular deve ser esse mesmo, mas Joel ainda faz mistério. "Ainda não me decidi. Com o Jaílton, ganho na marcação. O Kléberson ainda não se adaptou totalmente ao esquema. Já o Marci CiencianoFlores; Marengo, Solís, Bazalar e Romana; Vassalo, Ortiz, Sawa e Guizasola; Chiroque e UribeTécnico: Franco NavarroFlamengoBruno; Leonardo Moura, Fábio Luciano, Ronaldo Angelim e Juan; Jaílton (Marcinho), Cristian, Íbson e Toró; Renato Augusto e SouzaTécnico: Joel SantanaÁrbitro: Sergio Pezzotta (ARG)Estádio: Inca Garcilaso de la Veja, CuzcoHorário: 21h50 (horário de Brasília)nho está muito bem. Vou ver como cada um está antes da partida", explicou o técnico. Mas a opção por ter escalado Marcinho e Kléberson contra o Vasco, no último domingo, pela Taça Rio, indica que os dois deverão começar no banco nesta quarta-feira. O principal problema para o Flamengo no jogo desta quarta-feira, no entanto, deve ser a altitude. "A gente que já jogou em Potosí, não tem porque se preocupar", lembrou o lateral-direito Leonardo Moura, referindo-se à partida contra o Real Potosí pela Libertadores no ano passado (empate por 2 a 2) - a cidade boliviana fica a mais de 4 mil metros acima do nível do mar. "Vai ser um jogo duro, tenso. Mas vamos em busca da vitória", prometeu o capitão Fábio Luciano, que não quer sequer pensar na possibilidade de uma derrota nesta quarta-feira no Peru.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa LibertadoresFlamengoCienciano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.