Staff Image/Flamengo
Staff Image/Flamengo

Flamengo crítica ida de clássico para o Maracanã e vê decisão 'arbitrária' da CBF

Rubro-negro queria mandar a partida no estádio Luso-Brasileiro, mas CBF vetou ao acatar recomendação da PM

Estadão Conteúdo

19 Outubro 2017 | 20h02

A decisão da CBF de levar o clássico entre Flamengo e Vasco para o Maracanã desagradou o time rubro-negro. Horas depois do anúncio, o clube divulgou nota no fim da tarde desta quinta-feira em que criticou a postura da entidade e chamou de "arbitrária" a determinação.

+ Flamengo entra com recurso no STF para dividir título de 1987 com o Sport

"Após determinação arbitrária da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) a partida entre Flamengo e Vasco, dia 28 de outubro, foi transferida da Ilha do Urubu (Estádio Luso-Brasileiro) para o Maracanã", informou o Flamengo.

Durante o dia, a CBF informou que havia acatado recomendação da Polícia Militar do Rio para transferir o clássico marcado para o sábado da semana que vem do Estádio Luso-Brasileiro para o Maracanã. De acordo com a entidade, as instalações da casa do Flamengo neste Brasileirão não permitiriam que a segurança dos torcedores fosse garantida.

"Os órgãos públicos de fiscalização do Rio de Janeiro foram extremamente rigorosos em suas exigências para que o Flamengo colocasse em prática o projeto que modernizou a Ilha do Urubu. O estádio de hoje é resultado de todas essas determinações, principalmente de orientações expressas da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros para que lá fosse possível realizar qualquer partida, incluindo clássicos regionais. O Flamengo pôs em prática tudo o que lhe foi exigido - o que gerou atrasos na liberação do estádio - e os laudos e certificações apresentadas pelo clube atestam isso", garantiu o clube.

Em outro ponto do comunicado, o Flamengo lembrou de um exemplo recente para considerar possível a realização do clássico no Luso-Brasileiro. "Um fato que merece ser lembrado em relação à segurança da Ilha do Urubu é que a operação na partida entre Flamengo e Palmeiras, jogo considerado de altíssimo risco em função da rivalidade entre as torcidas, foi elogiada publicamente pelo Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (GEPE)."

O clube ainda lembrou que a CBF não teve a mesma preocupação no clássico do primeiro turno, quando permitiu que os rivais cariocas se enfrentasse em São Januário. Na ocasião, houve confusões entre as torcidas dentro e fora do estádio e um torcedor acabou morto.

"Da mesma forma, entendemos ser importante questionar: como a Polícia Militar do Rio de Janeiro teve condições de garantir a segurança para a realização das partidas entre Vasco e Flamengo em São Januário pelo Campeonato Estadual de 2016 e pelo primeiro turno do Campeonato Brasileiro de 2017, mas agora não consegue fazer o mesmo na Ilha do Urubu?".

Por fim, a diretoria rubro-negra questiou também a PM. "Qual a garantia que a PM oferece ao Flamengo, mandante do jogo, de que será capaz de assegurar a segurança de seus torcedores e de cerca de 6000 torcedores do Vasco no Maracanã, se não se diz capaz de atender no máximo 900 torcedores adversários na Ilha do Urubu? Qual dos cenários apresenta maior risco de segurança?".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.