Olympiakos
Olympiakos

Flamengo descarta oficialmente retorno do lateral-direito Rafinha

Jogador foi campeão brasileiro e da Libertadores pela equipe rubro-negra em 2019

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2021 | 15h50

O Flamengo desistiu oficialmente da contratação do lateral-direito Rafinha, que estava no Olympiacos, da Grécia. O clube rubro-negro e o jogador vinham negociando desde fevereiro, quando houve a rescição contratual com o clube europeu. Agora, o lateral seguirá para Londrina-PR, onde vai descansar com a família, e já autorizou seus empresários a buscarem um novo destino.

Rafinha jogou na equipe carioca entre julho de 2019 e agosto de 2020, conquistando os títulos do Campeonato Brasileiro e Copa Libertadores (2019), além da Recopa Sul-Americana, Supercopa do Brasil e Campeonato Carioca (2020). Após o sucesso no Flamengo, o lateral preferiu voltar ao futebol europeu, mas sua passagem pela Grécia não durou muito tempo.

A equipe atual bicampeã brasileira emitiu nota para explicar a decisão de abdicar das negociações. Problemas financeiros foram alegados para que o lateral não voltasse ao clube. As duas partes tinham grande interesse na retomada do trabalho, mas a pedida salarial foi entrave para a concretização do negócio.

"Devido ao agravamento da pandemia e as consequentes indefinições financeiras que isto causou, uma possível contratação do jogador, apesar de ser o desejo de toda a diretoria, se mostrou inviável. Qualquer investimento como este, no momento atual, não estaria condizente com a responsabilidade financeira que sempre baseou o trabalho da atual administração rubro-negra", afirmou o clube.

O jogador de 35 anos construiu grande parte de sua carreira na Alemanha. Em 2005, deixou o Coritiba e se transferiu para o Schalke 04. Em 2010, jogou pelo italiano Genoa, mas logo voltou ao futebol alemão para jogar no Bayern de Munique, onde ficou de 2011 a 2019 e conquistou inúmeros títulos.

Pela seleção brasileira, Rafinha se envolveu em polêmicas. Em 2015, recusou convocação para as Eliminatórias da Copa de 2018 e gerou desconforto na comissão técnica, à época comandada por Dunga. Mais tarde, voltou a ser convocado, quando Tite assumiu o comando técnico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.