Silvia Izquierdo/ AP
Silvia Izquierdo/ AP

Flamengo diz que se mantém por três meses sem prejuízos em razão do coronavírus

Clube carioca divulga balanço financeiro e assegura que impactos financeiros relativos à interrupção das partidas e dos campeonatos em 2020 podem ser absorvidos

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2020 | 13h30

Assim como praticamente todos os clubes do mundo, o Flamengo suspendeu suas atividades por causa da paralisação provocada pela pandemia do novo coronavírus. Com tudo parado no Brasil, as receitas vão cair e isso vai prejudicar as finanças. Na contramão dessa preocupação financeira, o time rubro-negro divulgou nesta terça-feira seu balanço de 2019 e fez uma breve projeção. O Flamengo chegou à conclusão de que é possível ficar até três meses sem danos. Ou seja, tem caixa para se sustentar nesse período.

Com uma receita bruta recorde de R$ 950 milhões e superávit de R$ 62 milhões, a diretoria do Flamengo destaca no documento exibido em seu site oficial que os impactos financeiros relativos à interrupção das partidas e dos campeonatos em 2020 podem ser absorvidos.

"Em relação a pandemia da covid-19 que se alastrou pelo mundo e começou a impactar a região em meados de março, a Administração do CRF fez um teste de stress usando as informações disponíveis e projetando um cenário de interrupção de jogos por até 3 meses. A conclusão é de que os impactos financeiros são absorvíveis e não representam risco de continuidade nas operações. Acredita-se que a situação é transitória e que as receitas do clube, com exceção de bilheteria, não sofrerão alterações significativas neste período, podendo ser compensadas ainda ao longo do ano", informou trecho do balanço.

O "teste de stress" feito pela direção do Flamengo é um procedimento realizado por bancos e outras empresas para simulação de risco de impacto em determinado cenário. O balanço financeiro foi auditado pela Ernest & Young e essa auditoria deu parecer positivo, mas fez uma ressalva em relação aos critérios utilizados pelo clube para calcular a capitalização dos gastos feitos em atletas de formação.

Com relação à receita recorde em 2019, a explicação está na venda de jogadores. Ao todo, o Fla fez R$ 294 milhões em negociações e parte deste valor (R$ 49 milhões) ainda será recebida. Outro fator importante é a bilheteria: valor bruto de R$ 109 milhões, com resultado líquido de R$ 48 milhões. Além disso, recebeu R$ 61 milhões com o programa de sócio-torcedor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.