(Pedro Souza / Atlético)
(Pedro Souza / Atlético)
Imagem Robson Morelli
Colunista
Robson Morelli
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Flamengo e Atlético-MG estão numa rotação acima dos concorrentes no Brasil

Nem o Palmeiras, pelo que já demonstrou nesta temporada, está na mesma prateleira desses dois times que disputaram a Supercopa neste domingo, com vitória do time mineiro nos pênaltis

Robson Morelli, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2022 | 18h59

Flamengo e Atlético-MG estão numa rotação acima dos rivais no futebol brasileiro. Nem mesmo o Palmeiras, que deveria estar nesta mesma prateleira, joga com tamanha velocidade, técnica e qualidade. Pelo menos não nas partidas que fez até agora. Os rivais carioca e mineiro fizeram o melhor jogo de 2022 até agora. Sim, é cedo para pontuar isso e certamente outras partidas interessantes vão acontecer. Mas o que vimos do duelo da Supercopa do Brasil abafou toda a confusão e choradeira chata da organização da partida. O jogo ficou 2 a 2 no tempo normal e foi decidido nos pênaltis, com vitória do Atlético por 8 a 7.

O jogo valeu a primeira taça para o Galo. Muito mais do que a comemoração, deu aos torcedores dos dois lados a certeza de que a temporada pode ser de conquistas e mais festas. Ninguém saiu da Arena Pantanal, em Cuiabá, triste ou descontente com o que viu em campo. Foram jogadas lindas, interessantes e inteligentes, com jogadores cheios de qualidade dos dois lados. Não havia um só torcedor capaz de apontar o vencedor antes do fim da partida. Que jogo!

Tanto Flamengo quanto Atlético-MG trocaram de treinadores no fim da última temporada. O time da Gávea trouxe Paulo Sousa. O Galo foi buscar o argentino Antonio 'Turco' Mohamed. Dois novatos no futebol brasileiro, mas que deixaram boa impressão nessas primeiras semanas de trabalho e na partida propriamente dita. Ambos se valeram dos primeiros jogos dos Estaduais para aprimorar o time fisicamente e conhecer os jogadores e suas qualidades. Trabalhos competentes.

Todos querem mostrar serviço em campo também. Os jogadores estão dispostos e loucos para permanecer no time, como deveria ser sempre. Todos em forma. Flamengo e Atlético estão muito acima dos rivais. Quando o Brasileirão começar, isso vai ficar mais claro, imagino. Porque os dois times vão melhorar, porque seus treinadores vão avançar no trabalho e porque há muita gana nesses dois elencos, e talvez essa seja a única condição capaz de outros adversários do País se igualar.

O Atlético-MG começou da mesma forma que acabou a temporada passada, jogando bonito, com variações e muita disposição. Falar da qualidade dos seus jogadores, como Hulk, Keno, Savarino e Nacho é chover no molhado. O mesmo se diz dos flamenguistas como Gabigol, Bruno Henrique e Arrascaeta. Há um ingrediente neste ano, a Copa do Mundo. Todos esses jogadores querem defender suas respectivas seleções e eles farão de tudo para estar na lista final. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.