Flamengo e Botafogo fazem clássico marcado por tensão

Um clássico tenso, marcado pela necessidade de vitória tanto de Botafogo quanto de Flamengo. Este é o panorama para o clássico deste domingo, às 18h30, no Maracanã, pela 12.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Apesar de vir de uma vitória fora de casa (sobre o Avaí), enquanto o rival sofreu um revés em seus domínios (para o Palmeiras), o time alvinegro pena na zona de rebaixamento. Os rubro-negros ocupam posição intermediária na tabela e uma derrota os coloca perto das últimas colocações.

LEONARDO MAIA, Agencia Estado

19 de julho de 2009 | 08h27

Analisando as posições na tabela e o retrospecto recente entre os clubes, a lógica sugere um certo favoritismo aos rubro-negros, que derrotaram os botafoguenses em três finais de Estadual seguidas desde 2007. São oito partidas de invencibilidade rubro-negra. Os jogadores alvinegros confessam que os rivais estão atravessados na garganta, mas descartam clima de revanche, até porque a situação é completamente distinta.

?Não vamos entrar em campo com sentimento de rancor ou pensando em revanche. Sabemos que vai ser um confronto disputado e decidido nos detalhes?, opinou Leandro Guerreiro, que espera a segunda vitória consecutiva para deixar a zona de degola. ?Precisamos de empenho total para sair das últimas colocações. Uma vitória nos dará muita moral para seguir na competição?.

Capitão rubro-negro, Bruno também pede dedicação total a seus companheiros. ?Cada um tem que fazer sua função sem inventar. Erramos muito contra o Palmeiras. O campeonato ainda está no começo e tenho certeza que vamos disputar o título?, comentou o goleiro.

O técnico botafoguense, Ney Franco, pelo menos, não tem desfalques na equipe titular e poderá mandar a campo o que julga ter de melhor. Além do mais, a expectativa é de que Jônatas e Reinaldo entrem no decorrer da partida para dar mais qualidade ao time.

A única alteração que deve realizar com relação à equipe que derrotou o Avaí será a entrada de Thiaguinho no lugar de Renato, machucado. A princípio, o esquema com três atacantes será guardado para o segundo tempo, caso seja necessário.

Cuca, treinador rubro-negro, tem mais problemas para lidar. Além de Willians, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, Cuca não poderá contar com Juan e Toró, machucados. Fabrício está recuperado e à disposição. Com isso, são limitadas suas opções para mexer na equipe que foi derrotada pelos palmeirenses.

A boa notícia é o retorno de Aírton, depois de cumprir cinco jogos de gancho. O técnico deve lançá-lo na vaga de Willians como volante. Fabrício entra na zaga no lugar de Everton Silva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.