Flamengo é desclassificado da Libertadores em pleno Maracanã

Equipe carioca faz festa antes do jogo e depois vê a vitória do América-MEX por 3 a 0; despedida amarga de Joel

Leonardo Maia, Agência Estado

08 de maio de 2008 | 00h22

Se alguém previsse, iriam chamar de louco. O América veio ao Maracanã e derrotou o Flamengo por 3 a 0, eliminando time carioca da Copa Libertadores, na noite desta quarta-feira. Na ida, o Flamengo havia vencido por 4 a 2 e a classificação era tida como certa.Veja também: Classificação Calendário / Resultados  Boca Juniors elimina o Cruzeiro da Copa Libertadores São Paulo vence o Nacional e está nas quartas da Libertadores Clichês marcam o fracasso rubro-negroMais de 50 mil presentes compareceram para comemorar o bicampeonato e a despedida do técnico Joel Santana. Saíram tentando encontrar explicações para o inexplicável. Havia uma preocupação inicial de que o Flamengo pudesse demonstrar desconcentração e desinteresse, o que foi prontamente dissipado pela postura da equipe de Joel Santana, que foi homenageado com uma placa comemorativa pela diretoria.Os rubro-negros foram logo para cima, mostrando que não iriam se satisfazer com o empate. O domínio era inteiramente do Flamengo, mas a equipe da Gávea era ineficiente na frente da área adversária.O primeiro susto veio aos 21 minutos. O pesado Cabañas recebeu na entrada da área e chutou, a bola desviou na zaga e encobriu Bruno. O gol não mudou o panorama da partida, mas animou os visitantes. Souza esgotava a paciência dos torcedores perdendo várias chances. O castigo veio um minuto depois.Em contra-ataque rápido, com a defesa do Flamengo aberta, Esqueda tocou na saída de um desesperado Bruno para ampliar e tornar a partida dramática, uma vez que mais um gol mexicano eliminaria o rubro-negro.  Flamengo 0 Bruno; Leonardo Moura, Leonardo    , Ronaldo Angelim e Juan    ; Jaílton (Renato Augusto), Toró, Kléberson (Obina) e Íbson; Marcinho e Souza (Diego Tardelli) Técnico: Joel Santana  América-MEX 3 Ochoa; Rodríguez    , Castro, Sebá e Rojas    ; Villa    , Silva, Argüello (Mosqueda) e Sánchez; Esqueda (Iñigo) e Cabañas (Higuaín) Técnico: Juan Luna Gols: Cabañas, aos 21; Esqueda, aos 38 minutos do primeiro tempo. Cabañas, aos 33 minutos do segundo tempoÁrbitro: Alfredo Intriago (EQU)Renda: R$ 1.031.926,00Público: 47.115 pagantesEstádio: Maracanã, no Rio de JaneiroJoel Santana voltou com Obina no lugar de Kléberson. "O time sentiu os gols, o que é natural. Precisamos fazer um gol logo para dar tranqüilidade à equipe", disse o novo técnico Caio Júnior, na tribuna de imprensa, de onde assistia ao jogo.Logo depois, entrou Diego Tardelli no lugar de Souza, que saiu vaiado, e o time melhorou. Tardelli quase diminuiu aos 15 minutos, depois de boa jogada de Leonardo Moura, mas a zaga desviou a escanteio. O volume de jogo do Flamengo aumentava e as chances se sucediam. Juan, o melhor em campo, quase faz um golaço aos 20 minutos, num lindo sem pulo que passou por cima do travessão.Mas o pesadelo se consumou aos 33 minutos. Cabañas cobrou falta de longe, a bola desviou na barreira e matou Bruno: 3 a 0. No desespero, Joel tirou Jaílton e colocou Renato Augusto. A partir daí não havia mais tática. Era só vontade. Ainda houve tempo para Juan ser expulso por falta em Cabañas em contra-ataque. O resto foi cera mexicana e desolação brasileira. Entre eles Caio Júnior, que, atônito, não quis falar depois da partida. Triste fim para o Flamengo, péssimo começo para Caio.

Tudo o que sabemos sobre:
FlamengoCopa LibertadoresAmérica-MEX

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.