Flamengo empata com o Coronel Bolognesi pela Libertadores

Time de Joel Santana não realiza uma boa partida e fica no 0 a 0 em partida disputada em Tacna

Agência Estado,

13 de fevereiro de 2008 | 23h56

O Flamengo decepcionou em sua estréia na Libertadores. Não passou de um empate sem gols com o Coronel Bolognesi, em jogo disputado na noite desta quinta-feira na cidade de Tacna, no Peru. A partida foi de baixa qualidade técnica e a equipe mandante abusou das faltas, sem que o árbitro tomasse alguma atitude. O Flamengo volta agora suas atenções para a semifinal da Taça Guanabara - no domingo enfrentará o Vasco no Maracanã. Veja também: Calendário / Resultados Classificação Bate-pronto: Perguntas positivas, respostas negativas Em Tacna, o time da casa começou pressionando e até deu um chute perigoso a gol, numa finalização de Gonzales, o melhor do Coronel Bolognesi. Bruno estava atento e fez boa defesa. Mas aos poucos o Flamengo notou que o adversário não tinha muito o que oferecer. Leonardo Moura e Juan obrigaram o goleiro Penny a duas boas intervenções. Apesar da su Coronel Bolognesi0Penny; Revoredo    , Ostersen, Balbin e Alvarez; Liñares, Uribe, Ramirez (Novoa) e Vasquez; Gonzales Vigil (Nostto) e Ross (Chavez)Técnico: Juan ReynosoFlamengo0Bruno; Leonardo Moura, Fábio Luciano, Ronaldo Angelim e Juan    ; Jailton, Jônatas, Ibson     e Toró; Diego Tardelli     (Obina) e Souza (Marcinho)Técnico: Joel SantanaÁrbitro: Mauricio Reinoso (Equador)Estádio: Modelo, em Tacna (Peru)perioridade técnica, o Flamengo não conseguia impor seu ritmo de jogo. Os atacantes Diego Tardelli e Souza atuavam mal e erravam muito. Praticamente não incomodaram a zaga do time peruano. No segundo tempo, o técnico Joel Santana pediu que sua equipe atacasse mais pelos lados. O Flamengo melhorou e não deu nenhuma oportunidade ao Coronel Bolognesi. Mas criou pouco também. Ibson não estava numa de suas melhores noites e se omitiu nas principais jogadas de armação do Rubro-Negro. O Flamengo dependia das avançadas de Leonardo Moura pela direita e de alguns lances isolados do meia Kleberson. O treinador do time carioca substituiu os dois atacantes. Primeiro, escalou Obina na vaga de Diego Tardelli. E logo depois, Marcinho, no lugar de Souza. As mudanças quase surtiram efeito. Joel Santana só não podia contar com uma furada incrível de Obina na pequena área, aos 44 minutos. Sem marcação, o jogador deixou escapar ali a vitória do Flamengo. "Passei um pouco da bola e escorreguei", tentou justificar o ídolo rubro-negro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.