Gilvan de Souza/Flamengo
Gilvan de Souza/Flamengo

Flamengo entrega DVD ao MP para tentar identificar torcedores agressores

Caso de violência ocorreu antes do embarque do time para enfrentar o Ceará na semana passada

Estadão Conteúdo

03 Maio 2018 | 12h02

A diretoria do Flamengo confirmou nesta quinta-feira que entregou ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro um DVD com as imagens do protesto contra jogadores do clube, ocorrido na última sexta-feira, no embarque da delegação para o confronto com o Ceará, em Fortaleza, válido pelo Campeonato Brasileiro.

+ Apoiado por peruanos em chegada à CAS, Guerrero tenta escapar de pena por doping

A ação foi uma das adotadas pelo clube para tentar punir os responsáveis pelas recentes cenas de violência e também evitar a repetição desses atos contra o grupo do Flamengo, algo que a diretoria já havia comunicado que faria, logo após os incidentes. E, principalmente, a direção espera que isso ajude na identificação dos torcedores.

Assim, o Flamengo protocolou no Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, ao Procurador Geral de Justiça José Eduardo Ciotola Gussem, um ofício solicitando o encaminhamento ao Grupo de Atuação Especializada do Desporto e de Defesa do Torcedor do caso relacionado aos atos de violência física e moral contra atletas e comissão técnica do Flamengo no Aeroporto do Galeão na última sexta-feira.

"Junto com o documento foi entregue um DVD com imagens geradas pelo canal Esporte Interativo na ocasião, com o intuito de facilitar o claro entendimento do caso e a eventual identificação e responsabilização individual de cada torcedor que praticou tais atos de violência contra determinados integrantes do time de futebol profissional do Flamengo", afirmou o time carioca em comunicado oficial.

Além disso, o Flamengo fez um boletim de ocorrência na Polícia Civil sobre as manifestações. No embarque do time para Fortaleza na sexta-feira, jogadores chegaram a ser cercados por um grupo de torcedores. Um dos principais alvos foi o meia Diego, que precisou da proteção dos seguranças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.