Flamengo ganha e chega à final

O Flamengo quebrou um tabu de quatro anos sem vencer o Cruzeiro, nesta quarta-feira à noite em João Pessoa, ao fazer 3 a 0 e chegar à decisão da Copa dos Campeões. O técnico Zagallo, mais uma vez mostrou ter "estrela" e novamente chega com o Flamengo a uma decisão - na primeira, conquistou o título carioca. O primeiro da disputa do título, contra o São Paulo, será domingo, em João Pessoa. O segundo, na quarta, em Maceió.As duas equipes travaram novamente uma grande batalha. Só que desta vez, a violência que imperou na primeira partida, deu lugar às grandes jogadas, com chances de gols para ambos os lados. Empurrado pelos gritos da torcida, em sua grande maioria flamenguista, o time carioca partiu para o ataque. Logo aos 8 minutos Petkovic obriga o goleiro André a grande defesa, após cobrança de falta. O duelo repete-se aos 16. Em rápido contra-ataque, Reinaldo toca para Edílson, que de primeira, deixa o sérvio frente a frente com o goleiro, que faz milagre, espalmando.A pressão carioca era grande. O técnico mineiro Paulo César Carpegiani gritava e gesticulava na lateral do campo, tentando acertar sua equipe. Deu certo. O Cruzeiro "acordou" e equilibrou a partida. Aos 28, Sergio Manoel desperdiça boa chance, em lance curioso. Após rebote de Júlio César, o meia chutou, o goleiro voltava e desviou com o pé, contra o próprio gol. A bola bateu na trave, nas costas de Juan e saiu. Aos 40, Sergio Manoel erra outra finalização.Com os times iguais, tudo levava a crer que a primeira etapa terminaria empatada. Mas, aos 44 minutos, André repõe mal a bola, no pé de Petkovic, que avança e chuta: 1 a 0.A segunda etapa começa igual à a primeira, com o Flamengo no ataque. Foram três chances desperdiçadas em 10 minutos.Em desvantagem, Carpegiani ousa, tirando o volante Marcus Vinícius e colocando Edmílson. O time, no entanto, perde força na marcação e sofre o segundo gol, de Edílson, aos 20 minutos.Aos 22 um princípio de confusão. O juiz Paulo César de Oliveira "esfria os ânimos" dos atletas, expulsando Leandro Ávila e Luizão. Carpegiani ainda viu Jackson ser expulso. Sem ter mais o que fazer, viu seu time entregue, e a torcida fazendo festa, aos gritos de ?olé?. Porém, o gol mais bonito do jogo ainda estava por sair. Aos 44, Beto arrancou da intermediária, passou por três zagueiros e decretou a vitória: 3 a 0.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.