Flamengo ganha na altitude peruana e garante vaga

Time de Joel Santana faz 3 a 0 no Cienciano e carimba passaporte para as oitavas-de-final da Libertadores

Agência Estado,

10 de abril de 2008 | 00h22

Com atuação inteligente e eficiente, o Flamengo superou a altitude de Cuzco, que fica a 3.400 metros acima do nível do mar, e derrotou o Cienciano por 3 a 0. A vitória desta quarta-feira, no Peru, dá classificação antecipada ao time flamenguista para as oitavas-de-final da Libertadores. Veja também:  Classificação Resultados e calendário Contra o eliminado Arsenal, Flu perde a 1.ª na Libertadores Com 10 pontos, o Flamengo passa a liderar o Grupo 4 e só poderá ser alcançado pelo próprio Cienciano ou pelo Nacional, que se enfrentam pela última vaga no dia 23 de abril, no Uruguai. Já o time flamenguista encerra sua participação nesta etapa no mesmo dia 23 de abril, contra o eliminado Coronel Bolognesi, no Maracanã. O primeiro tempo foi de poucas oportunidades. O Flamengo marcava bem e tinha espaços para puxar os contra-ataques, mas errava em demasia o último passe, em parte por conta da dificuldade dos jogadores brasileiros em medir o tempo da bola n Cienciano0Flores; Guizasola, Marengo, Solís e Romaña; Bazalar    , Ortiz    , Uribe (Guevara) e Sawa; Vassalo     e Portillo (Corrales)Técnico: Franco NavarroFlamengo3Bruno; Leonardo Moura, Fábio Luciano    , Ronaldo Angelim e Juan    ; Cristian, Toró    , Íbson (Jaílton) e Kléberson; Renato Augusto (Marcinho) e Souza (Obina)Técnico: Joel SantanaGols: Renato Augusto, aos oito, Toró, aos 32, e Juan, aos 49 minutos do segundo tempoÁrbitro: Sergio Pezzotta (ARG)Estádio: Inca Garcilaso de la Veja, em Cuzco (Peru)o ar rarefeito da altitude de Cuzco. Com Leonardo Moura e Kléberson muito recuados, o time carioca tentava conter as jogadas de linha de fundo do Cienciano, cujas bolas aéreas eram a melhor arma. Assim, as duas grandes chances dos peruanos vieram em cobranças de escanteio. Aos 35 minutos, Portillo cabeceou, mas o goleiro Bruno esteve seguro. Três minutos depois, o goleiro do Flamengo fez defesa sensacional em cabeçada de Romaña. Mas bastou ao Flamengo colocar a bola no chão e impor seu toque mais qualificado para abrir o marcador. Em bela puxada de contra-ataque de Ibson, aos oito minutos do segundo tempo, Souza recebeu na esquerda e fez belo passe para Renato Augusto, que teve tempo e tranqüilidade para escolher o canto e marcar. A partir daí, a partida ficou fácil para o Flamengo, que chegava sempre em contra-ataques perigosos. A vitória flamenguista ficou ainda mais próxima quando Bazalar foi expulso, deixando o Cienciano com um jogador a menos. Aí, aos 32 minutos, o perseguido Toró se redimiria de vez com a torcida flamenguista. Numa quase repetição do primeiro gol, Íbson desarmou no meio-de-campo, avançou e tocou para Toró acertar chute cruzado e garantir a vaga. A cereja no bolo ficou por conta de lindo gol de falta de Juan, já nos acréscimos, para mostrar que o melhor futebol pode superar a altitude.

Tudo o que sabemos sobre:
FlamengoCopa Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.